terça-feira, 25/junho/2024
ColunaConsumidor AlertaDúvida do consumidor: a ausência de cabeamento para instalação de serviços de...

Dúvida do consumidor: a ausência de cabeamento para instalação de serviços de internet

duvida 1

Prezados leitores, hoje, excepcionalmente, em razão da relevância social, o presente artigo será baseado em uma dúvida, e dará prosseguimento ao tema “internet” do artigo anterior, que pode ser conferido na íntegra AQUI – “O que você precisa saber sobre: internet lenta ou indisponível“. Meus artigos são publicados inicialmente neste site onde sou editor e colunista, o MegaJurídico, no entanto, posteriormente é divulgado em outras revistas/jornais, entre elas o Jusbrasil. Lá, surgiu a seguinte dúvida de um leitor:

Uma dúvida, moro em São Lourenço da Serra – SP (cidade um pouco afastada do centro de São Paulo), especificamente no bairro em que resido não há cabeamento algum de qualquer empresa que opere com internet. Ligo para a empresa e eles alegam que deve haver um determinado número de pedidos de internet para que possam disponibilizar a rede no bairro. Isso é permitido? Tenho algum respaldo que a lei garanta meu acesso à internet nesse caso? Pois, como todo mundo, é fundamental estarmos conectados, deixo de realizar diversas atividades por conta desse desfalque. (Gabriel Arismendes)

Admito que minha primeira resposta para este questionamento teria sido: não! Não existe, a princípio, algo que obrigue a operadora, diante da inviabilidade técnica, a prestar um serviço, correto? O que na verdade obrigaria as partes, neste caso, seria o contrato de prestação de serviços. Se não há contrato, não há, em teoria, de que falar em direitos e obrigações entre os particulares na inexistente relação de consumo. Só que esta não é uma verdade absoluta, haja vista que a relação jurídica entre as partes pode ser estabelecida mesmo antes da oficial contratação dos serviços. Nunes [1], em sua brilhante doutrina, é persuasivo:

(…) a Lei n. 8.078/90 incidirá, nas relações jurídicas chamadas de consumo, sempre que num dos polos estiver presente o consumidor e no outro o fornecedor.

Incidirá também quando a prática comercial puder desde logo, mesmo in abstrato, vir a torna-se relação jurídica de consumo, pelo simples fato de poder expor e se impor a um consumidor em potencial. Traduzindo: a aplicação do CDC se dá mesmo antes que qualquer consumidor em concreto compre, contrate, tenha seus direitos violados etc. Basta a potência, a possibilidade, a virtualidade de ocorrência da relação.

É isto que vai permitir, por exemplo, o controle da publicidade enganosa ou abusiva, ainda que nenhum consumidor real seja enganado; vai permitir o controle prévio e in abstrato de cláusula contratual abusiva antes da assinatura ou surgimento da relação contratual efetiva entre o fornecedor e consumidor etc. (…)

Logo, a dúvida do leitor, em que pese não se tratar das hipóteses mencionadas pelo doutrinador acima citado (publicidade enganosa etc), demonstra claramente a possibilidade da existência de uma relação abstrata de consumo. Observem que, conforme o relato, em momento algum a empresa operadora faz a oferta da internet, pelo contrário, ela condicionou a prestação dos serviços à existência de um determinado número de pedidos (de outros interessados). A oferta pode até ter existido, mas não foi mencionada pelo leitor.

Todavia, levantemos uma primeira questão: a oferta obriga o fornecedor. As disposições constantes no Código de Defesa do Consumidor [2] são reluzentes, uma vez que a publicidade deve ser precisa, clara, correta e ostensiva, dispondo sobre qualidade, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade, origem etc. Logo, se uma empresa prestadora de serviços de internet faz a publicidade, mas não deixa clara a área de alcance dos serviços, não pode criar pretextos para o descumprimento da obrigação. O fornecedor de produtos ou serviços é obrigado cumprir a oferta, ou responderá pela negativa. Vejamos:

Art. 35. Se o fornecedor de produtos ou serviços recusar cumprimento à oferta, apresentação ou publicidade, o consumidor poderá, alternativamente e à sua livre escolha:

I – exigir o cumprimento forçado da obrigação, nos termos da oferta, apresentação ou publicidade;

II – aceitar outro produto ou prestação de serviço equivalente;

III – rescindir o contrato, com direito à restituição de quantia eventualmente antecipada, monetariamente atualizada, e a perdas e danos.

Faço ainda uma segunda observação a respeito do direito de ser informado. Iniciemos da suposição de que condicionar a prestação de um serviço à existência de um determinado número de pedidos seja legal (o que não é, como veremos adiante). Neste caso, a operadora deve informar de forma clara e precisa o número de pedidos já existentes e qual o número necessário para a viabilidade da instalação dos serviços solicitados. A empresa não pode ser arbitrária nesse quesito. Esta alegação decorre do princípio da transparência, conforme “caput” do artigo 4º do Código de Defesa do Consumidor:

Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia das relações de consumo (…).

Vamos adiante, veja este acórdão:

RECORRENTE: NET RIO LTDA. RECORRIDO: MARCO TULIO FILARDI VOTO EMENTA NA FORMA DO ARTIGO 46 DA LEI Nº 9.099/95: NET COMBO (TV, TELEFONIA FIXA E INTERNET) – SOLICITAÇÃO DE ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO AUSÊNCIA DE INSTALAÇÃO DO TELEFONE E DA INTERNET BANDA LARGA – PRETENSÃO DE INSTALAÇÃO DOS SERVIÇOS E REPARAÇÃO MORAL – SENTENÇA A DETERMINAR A INSTALAÇÃO DA LINHA TELEFÔNICA E O ACESSO A INTERNET, AMBOS ATRELADOS AO PLANO ANTERIOMENTE CONTRATADO, E A FIXAR DANO MORAL (R$1.500,00) RECURSO DO FORNECEDOR – PRELIMINAR – PERÍCIA DISPENSÁVEL À LUZ DA PROVA DOCUMENTAL PRODUZIDA MÉRITO – NEGATIVA DE INSTALAÇÃO DE LINHA DE TELEFONIA AO ARGUMENTO DE AUSÊNCIA DE CABEAMENTO PARA INSTALAÇÃO NA MODALIDADE CONTRATADA E NÃO FORNECIMENTO DO SERVIÇO DE INTERNET POR ALEGAÇÃO DE INVIABILIDADE TÉCNICA – EMPRESA RÉ QUE EXPLORA SERVIÇOS DE TELEFONIA DENTRO DE REGIME PRIVADO PRINCÍPIO DA UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À TELEFONIA CONCRETIZADO PELO DECRETO FEDERAL Nº 7.512/11 (ARTS 1º, 2º E 5º) QUE SOMENTE SE APLICA ÀS CONCESSIONÁRIAS SUBMETIDAS AO REGIME PÚBLICO DE EXPLORAÇÃO (STFC) (EX: OI-TELEMAR) – INEXISTÊNCIA DE DIREITO DO USUÁRIO À INSTALAÇÃO DA LINHA DE TELEFONIA E DE INTERNET SE PASSA A RESIDIR EM LOCAL ONDE O SERVIÇO NÃO É PRESTADO PELO RÉU – RECURSO A QUE SE DÁ PROVIMENTO. V O T O Nos termos da fundamentação contida na ementa supra, voto pelo conhecimento e provimento do recurso para julgar improcedente o pedido. Rio de Janeiro, 10 de março de 2014. JOÃO LUIZ FERRAZ DE OLIVEIRA LIMA JUIZ RELATOR PODER JUDICIÁRIO 4ª TURMA RECURSAL CÍVEL 1 Processo nº 0016326-31.2013.8.19.0210

Verifica-se no acórdão acima exposto que a empresa que explora serviços de telefonia dentro do regime privado não está obrigada a respeitar o princípio da universalização do acesso à telefonia concretizado pelo Decreto Federal nº 7.512/11, que somente poderia ser aplicado às concessionárias submetidas ao regime público de exploração.

Meus caros colegas e nobres leitores, se jogarmos a afirmação jurisprudencial ao avesso (conclusão lógica), podemos elaborar a seguinte afirmativa:

As concessionárias (Ex: Oi-Telemar) estão submetidas ao regime público de exploração, havendo direito do usuário à instalação da linha de telefonia e de internet se passar a residir em local onde o serviço não é prestado.

Bingo! Interessante, não? Eis acima a possível solução para dúvida.

O Decreto nº 7.512/2011, bem como o regulamento do serviço telefônico fixo comutado (STFC) usam termos técnicos que exigiriam a expertise de um profissional da área de telecomunicações para perícia, motivo pelo qual deixo de mencionar ou elucidar os dispositivos naqueles diplomas constantes. Não obstante, recomendo a leitura.

Para finalizar, menciono aqui um dispositivo consumerista (CDC) extremamente pertinente:

Art. 22. Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos.

Parágrafo único. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das obrigações referidas neste artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma prevista neste código.

Agradeço a leitura e coloco o meu artigo para eventual debate, possibilitando que você, operador do Direito ou leitor interessado, realize suas próprias observações, haja vista a complexidade do tema.


[1] NUNES, Luis Antonio Rizzatto. Curso de Direito do Consumidor. 8. ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2013.

[2] BRASIL. Lei nº 8.078. Brasília, 11 de setembro de 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8078.htm> . Acesso em 22/03/2016.

[3] JURISDIÇÃO. Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. 4ª Turma Recursal. RI: 00163263120138190210 RJ 0016326-31.2013.8.19.0210. Relator(a) João Luiz Ferraz de Oliveira Lima. Publicação: 28/03/2014.

Advogado. Pós-graduando em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -