sexta-feira, 12/julho/2024
ColunaConsumidor AlertaA desconsideração da personalidade jurídica no CDC

A desconsideração da personalidade jurídica no CDC

Sabe-se que em regra qualquer pessoa jurídica somente responde por débitos dentro do que é limitado pelo capital social, sendo a responsabilidade dos sócios em regra subsidiária. Essa “prerrogativa” facilitou em alguns casos a ocorrência de fraudes, desviando-se as pessoas jurídicas de seus princípios, fazendo com que a doutrina e a jurisprudência reagissem ao tema de uma forma mais aprofundada e em observação sistemática do instituto da desconsideração da personalidade jurídica, de forma a se atravessar os limites do capital social e alcançar pessoas e bens escondidos na pessoa jurídica para fins ilegais. [1]

Esse instituto permite ao magistrado responsabilizar sócios e administradores de pessoas jurídicas, evitando-se fraudes e abusos de direito, principalmente em razão de prejuízos causados a terceiros. Em síntese o “escudo” que protege a pessoa jurídica é retirado e os bens dos sócios e administradores são alcançados pela justiça. Existe também a desconsideração inversa da personalidade jurídica, quando os bens da empresa respondem por dívidas dos sócios, assunto que poderá ser tratado em futuro artigo.

A desconsideração da personalidade jurídica no Código Civil não é tão abrangente ou “permissiva” quanto a prevista no Código de Defesa do Consumidor, mas há entendimento de que em nenhuma hipótese é necessário o ajuizamento de ação autônoma para que seja aplicada a desconsideração [2]:

Art. 50. Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público quando lhe couber intervir no processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica. (CC/02)

A desconsideração da personalidade jurídica prevista no Código Civil corresponde à teoria maior ou subjetiva, exigindo-se a presença de dois requisitos: o abuso da personalidade jurídica e o prejuízo ao credor.

Já a desconsideração da personalidade jurídica prevista no Código de Defesa do Consumidor relaciona-se com a teoria menor ou objetiva, tendo como único requisito o prejuízo ao credor:

Art. 28. O juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando, em detrimento do consumidor, houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração.

“omissis” 

§ 5° Também poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores. [4] (Grifo Nosso)

Verifica-se que as possibilidades para desconsiderações de personalidades jurídicas pelo Código de Defesa do Consumidor são amplas e, até mesmo, genéricas, já que, de acordo com o parágrafo 5º do artigo supramencionado, basta que a pessoa jurídica seja um obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados a consumidores para que seja desconsiderada. Isso demonstra de forma bem nítida o caráter protetivo do CDC, que leva sempre em consideração a vulnerabilidade do consumidor.

Nos ensinamentos de Leonardo de Medeiros Garcia, a desconsideração da personalidade jurídica prevista na CDC pode ser realizada de ofício pelo juiz, haja vista que as normas consumeristas são consideradas de ordem pública e de interesse social, ao contrário do que prevê o Código Civil, que exige o requerimento da parte ou do Ministério Público. [3]

A teoria menor da desconsideração possui tal nome por ser aplicável em qualquer circunstância em que a sociedade esteja insolvente, presumindo-se a fraude. É “menor” por independer de maiores requisitos, sendo suficiente a insolvência da pessoa jurídica.

Interessante notar ainda que, considerando a inexistência de previsão legal no Direito Trabalhista para desconsideração da personalidade jurídica, os juízes do trabalho se utilizam do art. 28 do Código de Defesa do Consumidor para alcançarem o patrimônio dos sócios no caso de dívidas trabalhistas, fazendo uso da teoria do “diálogo das fontes”.

A jurisprudência, com relativo rigor, caminha junto com a doutrina:

A desconsideração da personalidade jurídica, ao longo do ordenamento jurídico, ganha contornos particulares, a depender da relação de direito material em que sua aplicação é requerida, informando-se pela teoria maior, quando exigida a demonstração do abuso de personalidade, ou pela menor, quando satisfeita pela insolvência do devedor. (Des. Kildare Carvalho, TJMG) [4]

Na prática, para que se desconsidere a personalidade jurídica com base na teoria menor, pode-se levar em conta ainda o número de pessoas prejudicadas e o risco de insolvência.

Se a conduta da pessoa jurídica tem por objetivo impossibilitar a reparação dos prejuízos causados ao consumidor, deve ser aplicada a desconsideração da personalidade jurídica prevista no CDC. Outrossim, se ocorre a mera frustração do direito consumerista, é possível a aplicação na prática da teoria menor, ou seja, em se tratando de relação de consumo, a legislação é flexível e torna realmente possível uma medida que em diferentes circunstâncias se caracterizaria por ser uma medida excepcional e inabitual.


[1] TARTUCE, Flávio. NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de Direito do Consumidor. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense: São Paulo: Método, 2016.

[2] MACHADO, Costa et al. Código Civil Interpretado. 9. ed. São Paulo: Manole, 2016.

[3] GARCIA, Leonardo de Medeiros. Código de Defesa do Consumidor Comentado. 13. ed. Salvador: JusPODIVM, 2017.

[4] TJMG. Agravo de Instrumento-Cv 1.0701.09.266185-2/002 0683872-65.2016.8.13.0000. Des.(a) Kildare Carvalho. 16ª Câmara Cível. Publicado em 27/03/2017.

Advogado. Pós-graduando em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -