terça-feira, 25/junho/2024
ColunaAdministrativoAdvocacia pública no estado democrático de direito: advogados de governo ou estado?

Advocacia pública no estado democrático de direito: advogados de governo ou estado?

A Advocacia Pública desempenha um papel preponderante no Estado Democrático de Direito, cujo fundamento repousa na consolidação histórica de princípios sociais e políticos. Esse Estado resulta na limitação e vinculação do Poder Público, reconhecendo direitos fundamentais, a legalidade administrativa e a tutela jurídica por meio de um Poder Judiciário independente.

Na atuação da Advocacia Pública, esses princípios estruturantes são densificados pelos princípios da legalidade, impessoalidade, publicidade, moralidade e eficiência (Art. 37 da Constituição Federal), bem como pelo princípio da supremacia do interesse público. A vinculação do Poder Público ao princípio da legalidade, em um Estado de Direito Democrático e Social, está atrelada ao ideal de justiça, indo além da submissão à lei formal, abraçando o Direito como um todo, com destaque para os valores consagrados na Constituição.

Nesse contexto, a Advocacia Pública, enquanto instituição essencial à Justiça, deve comprometer-se não apenas com uma justiça formal, mas, principalmente, com uma justiça substancial e social, reconhecendo que, sem igualdade material, não há efetivo exercício de direitos fundamentais no âmbito do Estado de Direito.

A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADVOCACIA PÚBLICA

A sedimentação da Advocacia Pública está intrinsecamente ligada ao percurso histórico do Estado de Direito, desde a defesa dos interesses do monarca no Estado Patrimonial até sua consolidação na Constituição Federal de 1988.

A Advocacia Pública até 1988, desempenhou diversas funções, desde a defesa do patrimônio do monarca no Estado Patrimonial e do Fisco no Estado de Polícia, até a confusão das atribuições com o Ministério Público. A transição do Estado de Direito Liberal para o Estado de Direito Social é, de fato, um verdadeiro marco.

Foi, através da promulgação da Constituição Federal de 1988, que houve a correção dessas distorções nas atribuições da Advocacia Pública. A partir desse momento, conferiu aos advogados públicos as tarefas de consultoria jurídica e assessoramento jurídico ao Poder Executivo, bem como de representação judicial e extrajudicial do ente público.

Ademais, tornou-se mais evidente a sua importância na salvaguarda da democracia, atuando como um contrapeso aos demais poderes, assegurando a observância da legalidade e a proteção dos direitos fundamentais. Sua atuação transcende o mero exercício formal da atividade administrativa, compreendendo a defesa dos interesses do ente representado, a viabilização de políticas públicas, e, de fato, a efetivação do Estado Democrático de Direito.

É importante mencionar que, para a plena atuação da Advocacia Pública, é necessário que se tenha autonomia, como um elemento indispensável para garantir a imparcialidade e eficácia na defesa dos interesses públicos.

A autonomia técnica, administrativa e financeira do órgão jurídico é fundamental para assegurar que os advogados públicos possam emitir opiniões técnicas sem (tantas) interferências externas, orientando os gestores públicos de forma independente.

Essa independência funcional é essencial para garantir a coerência e a isonomia na Administração Pública, evitando a edição de atos contraditórios e o tratamento desigual entre as pessoas, que são os pilares do Estado de Direito.

A MISSÃO DA ADVOCACIA PÚBLICA: DEFENDER O GOVERNO?

O termo “advogado” tem origens que vão além da prática judicial e abrangem a noção de falar e interceder em benefício de outrem. No âmbito jurídico, esse papel se desdobra em diversas vertentes, sendo uma delas a Advocacia Pública.

Neste contexto, o advogado público desempenha um papel crucial, sendo não apenas um representante legal, mas alguém que integra organicamente a estrutura estatal que defende. Ao representar o Estado, o advogado público não é um mero postulante defendendo interesses alheios, sua atuação vai além, fundindo-se com a própria organização que representa.

Diferentemente dos advogados “tradicionais”, o Advogado de Estado, ao exercer funções contenciosas, não necessita de procuração para atuar em juízo, pois ele não representa, mas apresenta o próprio Estado. Essa singularidade confere à Advocacia de Estado uma dinâmica única, distinta das demais formas de advogar.

O compromisso do advogado público é consolidar o projeto do Estado que representa, e essa responsabilidade implica agir conforme os princípios do Estado Democrático de Direito, ou seja, um fruto do iluminismo, que propõe a contenção e legitimação racional da autoridade política, que substitui o monarca ou qualquer outra forma de poder absoluto.

Diante disso, o advogado do Estado deve harmonizar a defesa do direito com a representação do Estado, pessoa jurídica de direito público, e dos interesses políticos dos indivíduos eleitos pelo povo. Esse equilíbrio, um tanto difícil de lidar, preserva a democracia e garante que o poder público seja exercido conforme a vontade do seu povo (ao menos esperamos assim).

É inerente ressaltar que, o advogado de Estado não é um agente de governo, pois sua atuação vai além da gestão efêmera política, mas sim um defensor do Estado de Direito e da democracia. Ao mesmo tempo em que deve legitimar interesses democráticos Constitucionais, deve controlar pretensões políticas que ultrapassem os limites legais.

ESTRUTURA DA ADVOCACIA PÚBLICA

As principais instituições que legitimam a atuação da advocacia pública no Brasil são estruturadas em diferentes carreiras, sendo: Advocacia Geral da União; Procuradoria-Geral da União; Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional; Procuradoria-Geral Federal e as Procuradorias dos Estados e Municípios.

A Advocacia Geral da União é o órgão responsável pela representação judicial e extrajudicial da União, dentre as suas atribuições está a defesa dos interesses da União em processos judiciais, até mesmo, a apresentação de consultoria jurídica aos órgãos do Poder Executivo Federal.

Além disso, cada Estado possui sua própria Procuradoria, encarregada de representar legalmente o seu Estado. Os Municípios também contam com Procuradorias, que tem por finalidade a representação judicial, e assessoria, de forma local. Apesar das distinções nas esferas governamentais, todas apresentam o propósito de assegurar que as ações do Estado estejam em conformidade com o ordenamento jurídico.

CONCLUSÃO

A autonomia e estabilidade são cruciais para o Advogado de Estado desempenhar efetivamente seu papel. Sem independência institucional e autonomia funcional, o advogado público se torna suscetível a pressões políticas, comprometendo a eficiência de sua atuação.

Como dito brevemente neste artigo, o Advogado de Estado deve harmonizar a defesa do direito com a representação do Estado e os interesses políticos, mas não pode limitar-se a isso, visto que sua atuação está encarregada de zelar pelos preceitos Constitucionais, a ele conferidos.

Desta forma, o Advogado de Estado deve reconhecer quando os limites da juridicidade são ultrapassados e opinar no sentido de confissão à direitos postulados pelos particulares, ou seja, garantir os direitos dos (seus) cidadãos. Por fim, a Advocacia Pública de Estado é um pilar fundamental para a preservação do Estado Democrático de Direito, e não pode ser refém de governos, pois assim, falhará como garantidor dos interesses democráticos Constitucionais.

Os advogados públicos não são meros representantes legais, mas defensores da democracia, dos interesses políticos, e óbvio, do nosso Estado.

 

 | Website

Gestor Público pela Universidade Federal de Pelotas. Especializando em Contabilidade Pública pela Universidade Estadual do Ceará. Estagiário Jurídico e Acadêmico de Direito pela Universidade Católica de Pelotas.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

1 COMENTÁRIO

  1. achei interessante… a abordagem do papel do advogado de estado como defensor do estado de direito e da democracia foi feita de modo perspicaz. É interessante ver como é necessário equilibrar a defesa do direito com a representação do Estado e os interesses políticos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -