segunda-feira, 27/maio/2024
ColunaElite PenalTribunal do Júri – A linguagem não verbal do réu

Tribunal do Júri – A linguagem não verbal do réu

Inicialmente, explico que o julgamento no Tribunal do Júri, ocorre por meio dos jurados, estes são membros da sociedade que naquele momento foram convocadas a decidirem o destino de seu semelhante.

Os jurados, apesar de serem pessoas leigas com relação a ritualística do processo formal, são capciosos ao notar cada detalhe do julgamento, em especial a postura do acusado durante o plenário de Júri, qual seja, o indivíduo pelo qual circundei-a toda a trama processual, por este motivo, toda a fixação se encontra em sua direção, cada desvio de olhar, cada lágrima, mãos na cabeça, pés balançando, joelhos trêmulos rente ao banco dos réus, tudo isto, não escapa aos olhos dos que se assentam no banco de juízes da causa.

Assim, a linguagem não verbal é muito importante, pois através desta, poderá fazer com que denunciado possa ser recepcionado de uma forma melhor perante o conselho de sentença.

Vejamos, inicialmente o jurado possui um pré-julgamento com relação a pessoa do réu, razão pela qual, se faz necessário buscar a humanização desta pessoa perante os seus pares, quiçá, inclusive quando este não estiver falando.

Pois se o acusado, diferentemente de uma postura humilde e compassiva, demonstrar ser altivo e arrogante, não logrará êxito no acolhimento de sua tese de inocência, ainda que de fato o seja.

Diante disto, é mister que a defesa estabeleça um contato com o réu de forma preliminar, a fim de tão somente o corrigir sobre sua linguagem corporal, desta forma, alertando seus erros, e estabelecendo meios de contato para que a todo momento durante o julgamento possa lembrar dos exercícios realizados.

Lembre-se, na condição de defesa dos direitos de seu cliente, é melhor pecar pelo excesso de zelo, do que pela falta de cuidado.

Nesta toada, o réu no julgamento deve ser alertado, quanto a sua postura, seu ritmo de fala que deve transparecer calma e controle, a posição de suas mãos, e introduzir durante sua participação no julgamento gestos pacificadores, com intuito de se acalmar e também demonstrar segurança e sobriedade diante dos juízes que o estarão observando.

Andrew Lucas Valente

Advogado criminalista. Pós-Graduando em Ciências Criminais. Graduado no Curso de bacharelado em Direito do Centro de Ensino Superior do Amapá - CEAP.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Mais do(a) autor(a)

spot_img

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

spot_img

Últimas

- Publicidade -