segunda-feira, 24/junho/2024
ColunaDireitos (&) HumanosOs traumas e a Prescrição nos Crimes Sexuais contra Crianças

Os traumas e a Prescrição nos Crimes Sexuais contra Crianças

A prescrição ampliada no caso de crimes sexuais contra crianças é um assunto recorrente. Após vários anos, as vítimas realizam denúncias contra os autores dos crimes. E sempre que o assunto ganha repercussão surgem questionamentos sobre a veracidade dos fatos. E a seguinte pergunta: por que as vítimas não denunciaram na época dos acontecimentos?

Para tentarmos responder a essa pergunta, descreveremos algumas características desse tipo de violência e como ela se perpetua na vida da vítima.

 1.   A Prescrição nos Crimes Sexuais Contra Crianças

A Lei 12.650/2012 alterou o artigo 111 do Código Penal , inserindo o inciso V na contagem prescricional nos crimes sexuais contra crianças e adolescentes antes do trânsito em julgado a sentença final:

        Art. 111 – A prescrição, antes de transitar em julgado a sentença final, começa a correr:  (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

        I – do dia em que o crime se consumou; (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

        II – no caso de tentativa, do dia em que cessou a atividade criminosa;  (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

        III – nos crimes permanentes, do dia em que cessou a permanência;  (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

        IV – nos de bigamia e nos de falsificação ou alteração de assentamento do registro civil, da data em que o fato se tornou conhecido.  (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984

      V – nos crimes contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes, previstos neste Código ou em legislação especial, da data em que a vítima completar 18 (dezoito) anos, salvo se a            esse tempo já houver sido proposta a ação penal.      (Redação dada pela Lei nº 12.650, de 2012)

Assim, a prescrição só começa a contar a partir do momento em que o jovem completa 18 anos, caso não tenha havido denúncia anterior sobre o caso.

Trata-se de prescrição ampliada, uma vez que os fatos podem ter acontecido há vários anos. O entendimento é que  esse prazo é compatível com o tipo de violência a ser combatida. Quando a vítima apresenta tenra idade há dificuldade na compreensão dos acontecimentos.  Outro fator é a relação de poder que pode existir entre o agressor e a vítima e a dificuldade de realizar a denúncia na época dos fatos.[i]

2.   Os Abusos Sexuais e a voz Infantil

A visão adultocêntrica, na qual a fala da criança é colocada em descrença, é um fator que pode vir a acobertar esse tipo de crime . Como em vários casos o abuso acontece no âmbito privado e são cometidos por pessoas próximas do infanto, a sua credibilidade é questionada, principalmente por acreditarem que a criança ainda possui uma visão fantasiosa sobre o mundo.  Maria Luiza Sá (2006)[ii] descreve bem essas dificuldades:

[…] o abuso sexual ocorre em sua imensa maioria dentro da própria casa a vítima e, nesse caso, é geralmente cometido por pais, padrastos, tios, irmãos ou vizinhos, amigos dos pais (grifo nosso). Diante disso, a sociedade adultocêntrica procura desqualificar a fala da criança, chama-la de mentirosa e impedir a denúncia.

Geralmente, o agressor se aproveita dessa crença para negar o abuso e se vitimizar perante os outros adultos. O que fortalece a descrença na fala da criança e contribui para a perpetuação dos abusos. Diante desse contexto as vítimas se veem desacreditadas o que colabora para o seu emudecimento:

[…] O traumatismo cria lacunas, desagrega as identificações já adquiridas e impossibilita a representação do acontecimento ou o livre acesso às memórias do acontecimento. O acesso às memórias do acontecido e as representações não se fizeram ou estão bloqueadas.” Há um branco.  […] a violência impede o registro consciente e suspende a fluidez.

[…] Perpetrada a covardia, as vítimas emudecem, não conseguem gritar nem pedir socorro [….] Sob a força do medo, o aparelho psíquico cliva e a colagem da identificação com o agressor se processa. A ocorrência estará sem representação, no inconsciente da criança, conforme Bayle (2003). Em consequência disso, pequenas vítimas se tornarão submissas à vontade dos agressores (grifo nosso).[iii]

 

 Como os abusadores costumam ameaçar as vítimas dizendo que atingirão os adultos queridos, o medo e a falta de apoio pode contribuir para essa submissão. Na criança pode surgir o sentimento de culpa e a falta de confiança nos outros.

Exatamente por todas essas dificuldades, que vão desde a compreensão do ocorrido, até a falta de credibilidade pelos demais adultos, que esses crimes necessitam de uma contagem diferenciada do prazo prescricional.

3.  Características Comportamentais da Vítima de Violência Infantil

A criança não possui uma visão do mundo similar a do adulto. A fantasia ainda está presente quando ela ainda é muito nova. E com o passar dos anos e das interações sociais a sua mente se adapta ao “mundo adulto”.[iv]

Assim, algumas características podem ser notadas em crianças que foram expostas a conteúdos sexuais de forma precoce, como a utilização de linguagem e comportamentos que são similares aos praticados pelo agressor. [v]

Sá (2006) descreve essas diferenças entre o imaginário lúdico da criança, mais próximo da ternura, e os atos cometidos pelo abusador:

As fantasias lúdicas , quando elas desempenham papéis (o “faz de conta”) não são atividades genitais – ou seja, casos de experiência de identificação com o pai ou a mãe – são experimentações de caráter identificatório. O sexo genital aparecerá na puberdade, quando seus hormônios sexuais serão ativados.

Em seguida a autora sugere alguns comportamentos que podem ser observados nas vítimas da violência:

 

São vários os problemas observados em vítimas de abuso sexual na infância: tiques nervosos, maneirismos, insônia; perda do conhecimento da escolarização; terrores noturnos; comportamentos regressivos; encoprese e incontinência urinária, sintomas que não existiam antes surgem sem uma relação causa e efeito. Crianças abusadas passam a impressão de inadequação, como se fossem um adulto “em miniatura”.

Os traumas podem ser perpetuados por toda a vida, conforme afirma Vicente Faleiros (2005):

O trauma tem, assim, várias dimensões que podem perdurar mais ou menos profundamente durante o resto da vida da vitimizada ou do vitimizado, por ter havido, de fato, o abuso de uma expectativa de proteção e de respeito, o abuso de um corpo, numa relação forçada pelo mais forte, na violação de um tabu social, do direito, das leis, da proteção e do respeito e que se traduz em raiva, nojo, sofrimento, depressão e comportamentos marcados por desleixo, evasão, agressão, ansiedade, medo, iniciativas sexuais frente a outras crianças, dentre outros (Ver SEBOLD, 1987 e DUARTE; ARBOLEDA , 2000- grifo nosso). [vi]

São várias as consequências experimentadas pela vítima, que precisará de ajuda profissional para conseguir lidar com o trauma.

4.   A Prescrição e a Desclassificação do Tipo

Diante de todo o contexto traumático, ainda percebe-se em alguns julgados tendência a desclassificar o ato tido como crime para a contravenção. O que traz como consequência a redução do prazo prescricional.

Cita-se como exemplo, um caso  julgado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro- TJRJ, em que um homem idoso teria levantado a calcinha de uma menina (10 anos de idade) e acariciado a genitália da criança. O Ministério Público ofereceu a denúncia pedindo a condenação pela prática do crime previsto no art. 217-A (pena de 8 a 15 anos de reclusão) do Código Penal. Porém, o TJRJ entendeu que haveria a desclassificação para o art. 65  (prisão simples de 15 dias a 2 meses) da Lei de Contravenções Penais, declarando a prescrição com fundamento no art. 109, VI, do Código Penal. Uma vez declarada extinta a punibilidade, houve recurso ao Superior Tribunal de Justiça- STJ que proferiu o seguinte acórdão:

RECURSO ESPECIAL. ESTUPRO DE VULNERÁVEL. VIOLAÇÃO DO ART. 217-A DO CP. PLEITO DE AFASTAMENTO DA DESCLASSIFICAÇÃO PARA IMPORTUNAÇÃO OFENSIVA AO PUDOR. CABIMENTO. PRÁTICA DE ATO LIBIDINOSO DIVERSO DA CONJUNÇÃO CARNAL. ELEMENTARES CARACTERIZADAS E RECONHECIDAS PELO TRIBUNAL DE ORIGEM. RETORNO DOS AUTOS PARA NOVO JULGAMENTO DA APELAÇÃO MINISTERIAL. Recurso especial provido. DECISÃO Trata-se de recurso especial interposto pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, com fundamento na alínea a do permissivo constitucional, contra acórdão do Tribunal de Justiça local prolatado na Apelação Criminal n. 0118207-91.2016.8.19.0001. […] Verifica-se não haver controvérsia sobre a ocorrência da prática de atos lascivos diverso da conjunção carnal contra a vítima L B DE O, menor de 14 anos, caracterizando, assim, todas elementares do tipo penal imputado ao recorrido. Não se justifica, desse modo, a desclassificação para a figura descrita no art. 65 da Lei de Contravencoes Penais.  (grifo nosso) Ante o exposto, com fundamento no art. 255, § 4º, III, do RISTJ, dou provimento ao recurso especial para afastar a desclassificação operada Corte carioca e determinar o retorno dos autos ao Tribunal de origem para novo julgamento da apelação de fls. 259/268. Publique-se. Brasília, 12 de setembro de 2018. Ministro Sebastião Reis Júnior Relator (STJ – REsp: 1756541 RJ 2018/0189917-3, Relator: Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR, Data de Publicação: DJ 14/09/2018)

Esse caso serve para exemplificar algumas situações que ainda estão presentes no momento do julgamento. Não são raras as situações em que a conduta do abusador é vista de forma amena. O acórdão recorrido do TJRJ utilizou a expressão de que o ato não tinha representado uma “concreta ofensa à dignidade sexual da pequena vítima”, quando todos os elementos do tipo estavam presentes na conduta do abusador.

Considerações Finais

Descrevemos algumas especificidades dos crimes sexuais contra crianças e como são graves as consequências para as vítimas. Porém, ainda é perceptível a existência de julgados, como o citado, que naturalizam a conduta do abusador.

 Assim, além da mudança legislativa, que, nesse caso, se operou com a prescrição ampliada, há a necessidade de um outro olhar sobre os crimes sexuais contra as crianças. Um olhar em que esses crimes sejam percebidos dentro da sua gravidade e como a falta de punição vulnerabiliza  ainda mais as vítimas.

[i]  Vicente Faleiros  bem descreve essa relação de poder: “Tanto a violência física, como a sexual, estão ligadas ao autoritarismo, ou seja, digamos assim — à falta do poder legítimo, e se exercita pela negação ou ameaça ao outro, para se impor através da força física ou do uso do poder moral ou legal.”  (FALEIROS, Vicente de Paula. Abuso sexual de crianças e adolescentes: trama, drama e trauma. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 2, n. 1, p. 65-82, jan. 2005. ISSN 1676-6806. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8636441/4150>. Acesso em: 03 jan. 2019. doi:https://doi.org/10.20396/sss.v2i1.8636441.)

[ii] SÁ, Maria Luiza Bustamante Pereira de. No reino das espertezas: uma luz clareia o estranho revelador das fragmentações. Um estudo centrado na violência e no abuso sexual na infância. 2006. 166 f. Tese (Doutorado) – Curso de Psicologia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

[iii]  Sá (2006) menciona o seguinte artigo de Gérard Bayle: BAYLE, Gérard. Traumatisme et clivage fonctionnel: Pas de clivage sans collage. Disponível em: <https://www.spp.asso.fr/traumatisme-et-clivage-fonctionnel/>. Acesso em: 01 fev. 2019.

[iv] Jean Piaget sugeriu que as crianças pensam de maneira diferente dos adultos, propondo uma teoria em que o desenvolvimento cognitivo ocorre em vários estágios. Cita-se como exemplo o estágio pré- operacional (inteligência simbólica), que ocorre entre as idades de 2 e 7 anos. Neste estágio, as crianças ainda não têm a capacidade de manipular mentalmente informações e enxergar as coisas do ponto de vista de outras pessoas (PIAGET, Jean. A linguagem e o pensamento da criança. São Paulo: Martins Fontes, 1993).

[v]  FERENCZI, S. Escritos psicanalíticos: 1909-1933. São Paulo: Tauros, 1988.

[vi]  Vicente Faleiros descreve as seguintes pesquisas sobre o tema:  FALEIROS, Vicente de Paula. Abuso sexual de crianças e adolescentes: trama, drama e trauma. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 2, n. 1, p. 65-82, jan. 2005. ISSN 1676-6806. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8636441/4150>. Acesso em: 03 jan. 2019. doi:https://doi.org/10.20396/sss.v2i1.8636441. .

Priscila Ramos de Moraes Rego Agnello é professora de Direito do Instituto Federal de Brasília-IFB. Advogada. Mestra em Direito e Políticas Públicas (Centro Universitário de Brasília- Uniceub). Especialista em Direito e Jurisdição (Escola da Magistratura do Distrito Federal- ESMA). Autora do livro Sursis Processual e Lei Maria da Penha: representações sociais (Lumen Juris-2016).

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -