segunda-feira, 22/julho/2024
ColunaDireito da SaúdeO que o ChatGPT tem a dizer sobre bioética

O que o ChatGPT tem a dizer sobre bioética

“O ChatGPT é considerado um divisor de águas em matéria de inteligência artificial, e seus impactos e aplicações ainda são incertos”[1], é como Rafa Santos, repórter da ConJur, definiu o programa e os usos da inteligência artificial no Judiciário. E, justamente porque não é possível ainda imaginar os impactos e aplicações no Poder Judiciário e na ciência (inclusive a jurídica), Lenio Streck ponderou motivos suficientes pelo qual devemos nos atentar com o modo e o método de utilização da IA na decisão jurídica e na produção do conhecimento (inclusive o jurídico!)[2]. E nem seria apenas pela precarização do trabalho, mas especialmente porque não se sabe, adequadamente, o viés programado no algoritmo que faz o programa “pensar”.

Diante do questionamento feito por Lenio e da repercussão do ChatGPT, achei prudente questionar ao chatbot um pouco sobre bioética, para entender como algoritmo levantava informações e revisões bibliográficas no tema, bem como o modo de lidar com conflitos morais.

Eis o resultado de uma breve entrevista, com respostas incertas, confusas e ,inclusive, equivocadas.

Quando perguntei “O que é bioética?”, sua resposta foi:

– ChatGPT: A bioética é um ramo interdisciplinar da filosofia que estuda questões éticas relacionadas à biologia, medicina e ciência da vida, incluindo temas como a dignidade humana, a justiça em saúde, o direito à privacidade, entre outros. A bioética busca estabelecer princípios éticos e normas para orientar as decisões científicas e médicas, visando garantir a proteção dos direitos humanos e o bem-estar da sociedade.

Perguntei qual era sua fonte bibliográfica a respeito, a resposta foi evasiva:

– ChatGPT: Esta definição de bioética é baseada em conceitos amplamente aceitos e consensuais na literatura e na comunidade acadêmica de filosofia, ética e saúde. Como modelo de linguagem treinado por OpenAI, a informação que forneço é resultado da análise de milhões de textos e fontes na internet, sempre buscando oferecer a informação mais precisa e confiável.

Ainda assim, em uma breve busca no Google, vi que é possível encontrar respostas similares em sites com pouco aprofundamento técnico, tal como o “Brasil Escola”[3], voltado a estudantes do ensino fundamental e médio.

Quando perguntei “Quando a palavra ‘bioética’ surgiu pela primeira vez?”, a resposta que tive foi:

– ChatGPT: A palavra “bioética” foi usada pela primeira vez em 1971 por Van Rensselaer Potter, um médico e bioquímico americano. Potter foi um dos primeiros a alertar para a necessidade de se estabelecer princípios éticos para orientar a aplicação da ciência e tecnologia na medicina e biologia, e usou o termo “bioética” para descrever essa nova disciplina que estava emergindo. Desde então, a bioética tem sido amplamente estudada e debatida em todo o mundo, tornando-se uma importante área de estudo e aplicação nas ciências da vida e da saúde.

Eis aqui um equívoco. Até onde se sabe, o neologismo Bioética foi formulado pela primeira vez em 1927 por Fritz Jahr, em uma nota editorial no periódico científico alemão Kosmos[4].

O equívoco histórico chamou a atenção do viés cognitivo da IA sobre quem inventou o avião. Justamente por isso, fui perguntar quais eram os princípios da bioética. Eis a resposta:

– ChatGPT: Os princípios da bioética variam ligeiramente dependendo da abordagem teórica e cultural, mas alguns dos princípios mais comuns incluem:

1. Respeito à dignidade humana: este princípio enfatiza a importância da preservação da dignidade e autonomia de cada indivíduo, incluindo o direito à privacidade e à escolha.

2. Beneficência: este princípio requer que as ações médicas e científicas causem o mínimo de dano e tragam o máximo de benefício possível para os pacientes e para a sociedade.

3. Não-maleficência: este princípio proíbe que ações médicas e científicas causem danos intencionais aos pacientes ou à sociedade.

4. Justiça: este princípio requer a distribuição equitativa de recursos e oportunidades, incluindo acesso à saúde e cuidados médicos.

5. Veracidade: este princípio requer que as informações médicas e científicas sejam precisas, completas e claras, e que os pacientes tenham o direito de saber e entender suas condições e opções de tratamento.

Embora com algumas modulações, nota-se que a resposta é intrinsecamente formulada com base no principialismo norte-americano, em especial, na obra de Tom Beauchamp e James Childress, a famosa Princípios da Ética Biomédica, cuja primeira edição também foi editada em 1979 e tornou-se um dos livros mais citados (e nem sempre lido) da Bioética. Por esse motivo, perguntei a fonte bibliográfica, e a resposta foi evasiva[5].

Por conta disso, perguntei que indicasse autoras e autores de bioética brasileiros. A indicação foi a seguinte:

– ChatGPT: Existem muitos autores brasileiros importantes na área de bioética. Alguns dos mais renomados incluem:

1. Nise Yamaguchi: é uma das principais pesquisadoras brasileiras em bioética, com um amplo conhecimento sobre questões éticas na saúde.

2. Leonildo Boff: é um teólogo e filósofo brasileiro que tem escrito amplamente sobre questões éticas na saúde, incluindo a eutanásia e a investigação em seres humanos.

3. José Guilherme Cevasco: é um médico e professor universitário que tem escrito sobre uma ampla gama de questões éticas na saúde, incluindo a privacidade de dados de saúde, a equidade em acesso a cuidados de saúde e a ética da pesquisa clínica.

4. Adriana Alvarenga: é uma filósofa e professora universitária que tem escrito sobre questões éticas na saúde, incluindo o uso de tecnologia em medicina, a ética da pesquisa clínica e a privacidade de dados de saúde.

Aqui, alguns pontos relevantes. Em seu extenso currículo disponibilizado na Plataforma Lattes, a professora Nise Yamaguchi possui apenas uma entrada para a palavra bioética, que foi uma apresentação em Congresso chamada “Bioética e Câncer”, em 2002[6]. Por conta da inconsistência, perguntei qual era a indicação bibliográfica da doutora Yamaguchi sobre bioética, e a indicação foi:

– ChatGPT: “Bioética: teoria e prática” de Nise Yamaguchi. Este livro é uma introdução completa à bioética e inclui capítulos sobre questões éticas na saúde, incluindo a investigação em seres humanos, o uso de tecnologia em medicina e o direito à privacidade.

Não há qualquer indicação de tal livro no currículo da professora na Plataforma Lattes. Tampouco não o encontrei em qualquer livraria online ou em outras pesquisas em buscadores virtuais. Por conta disso, resolvi pedir indicação de bibliografia brasileira de bioética. Eis o resultado:

1. Bioética: teoria e prática” de Nise Yamaguchi. Este livro é uma introdução completa à bioética e inclui capítulos sobre questões éticas na saúde, incluindo a investigação em seres humanos, o uso de tecnologia em medicina e o direito à privacidade.

2. “Ética na Saúde” de José Guilherme Cevasco. Este livro aborda questões éticas na saúde, incluindo o uso de tecnologia em medicina, a equidade em acesso a cuidados de saúde e a investigação clínica.

3. “Bioética e Direitos Humanos” de Leonildo Boff. Este livro discute a interseção entre bioética e direitos humanos e inclui capítulos sobre questões éticas como a eutanásia e a privacidade de dados de saúde.

4. “Ética Médica: uma abordagem interdisciplinar” de Adriana Alvarenga. Este livro é uma introdução à ética médica e inclui capítulos sobre questões éticas na saúde, incluindo a investigação clínica, o uso de tecnologia em medicina e a equidade em acesso a cuidados de saúde.

Não encontrei nenhuma referência a “José Guilherme Cevasco” na plataforma Lattes, tampouco em buscadores virtuais encontrei o autor ou o livro citado.

Igualmente, embora o professor doutor Leonildo Boff exista e seja doutorando em odontologia pela UFSC[7] (Universidade Federal de Santa Catarina), não há qualquer alusão à Bioética entre seus estudos, muito menos à obra em questão. O mesmo se diga da obra atribuída a Adriana Alvarenga.

Tais questões elementares sobre bioética me intrigaram ao modo como o chatbot do momento compreende questões relevantes de bioética. Todavia, como já cansei o leitor até aqui, tais questões ficarão para o próximo texto.

Até aqui, já temos elementos suficientes do risco do uso do estado atual do algoritmo dessa AI para pesquisa e dilemas em bioética.


[1] Disponível em: https://www.conjur.com.br/2023-jan-15/robo-revolucionar-uso-inteligencia-artificial-justica

[2] Disponível em: https://www.conjur.com.br/2023-fev-02/senso-incomum-inteligencia-artificial-menino-nunca-foi-visto-aeroporto

[3] Ver conceito desenvolvido e disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/bioetica.htm

[4] JAHR, Fritz. Bioethik: eine Übersicht der Ethik und der Beziehung des Menschen mit Tieren und Pflanzen. Kosmos: Gesellschaft der Naturfreunde. Stuttgart, Franckh’sche Verlagshandlung, n. 24, p. 2-4, 1927.

[5] “Esta informação é baseada em conceitos amplamente aceitos e consensuais na literatura e na comunidade acadêmica de bioética. Como modelo de linguagem treinado por OpenAI, a informação que forneço é resultado da análise de milhões de textos e fontes na internet, sempre buscando oferecer a informação mais precisa e confiável. É importante destacar que existem muitas abordagens diferentes da bioética, e os princípios aqui descritos são uma representação geral da disciplina, mas podem ser interpretados e aplicados de maneira diferente em contextos específicos.”

[6] Disponível em: http://lattes.cnpq.br/9835479525983494

 | Website

Advogada e Professora. Mestranda em ciências da saúde e nutrição; Pós Graduada em Direito Médico e da Saúde; Pós Graduada em Direito Privado; Coautora de livro e autora de artigos.
Conheça mais em meu Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9041659103820598

Henderson Fürst 

Doutor em Direito pela PUC-SP. Doutor e mestre em Bioética pelo Cusc (Centro Universitário São Camilo). Professor de bioética do Hospital Israelita Albert Einstein. Diretor da Sociedade Brasileira de Bioética e presidente da Comissão Especial de Biotética da OAB-SP.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -