A edição de peças jurídicas é tarefa central da rotina de advogados!

Cerca de 50% do tempo útil da atividade advocatícia é dispendido na elaboração de petições, recursos, contratos e outros documentos processuais necessários à persecução do direito dos clientes.

Ainda que, em demandas de consumidor e trabalhistas, vemos petições muito semelhantes umas às outras, o mesmo não ocorre nas demais searas jurídicas. A realidade é que todo novo cliente que contrata o advogado possui uma situação diversa e necessita de uma peça jurídica personalizada para sua situação.

Advogados investem tempo, conhecimento e muitas horas de pesquisa ao confeccionar suas petições. Todavia, não raramente, as peças após protocoladas, acabam sendo esquecidas em alguma pasta dentro do computador para não serem mais usadas até que outro caso similar chegue ao escritório.

E se essas petições pudessem gerar uma segunda fonte de renda para o advogado que as desenvolveu?

 

JusDocs incentiva o compartilhamento de petições

 

Foi com esse pensamento que, em 2020, o JusDocs criou uma plataforma que permite o compartilhamento de peças entre profissionais do direito.

Ao entender que as petições utilizadas na prática por advogados especialistas em suas áreas de atuação têm muito valor para outros profissionais que estão com casos similares em seus próprios escritórios, o JusDocs criou o meio para que elas sejam divulgadas.

O diferencial do JusDocs, segundo seu CEO Williann Georgi, é que as petições devem ter sido utilizadas na prática e que o autor das peças tem que obrigatoriamente ser o profissional que as está compartilhando com a comunidade jurídica.

 

Uma segunda fonte de renda para o advogado

 

Para cada petição baixada, o JusDocs paga ao advogado autor daquela petição uma espécie de royalty em sua conta cadastrada no JusDocs, como forma de compensação pelo compartilhamento de suas petições.

O JusDocs refere que somente em 2021 mais de 30 mil reais foram pagos aos advogados pelo compartilhamento de suas peças e que esse valor deve triplicar até o final do ano.

Segundo seu CEO, o objetivo do Jusdocs é criar uma segunda fonte de renda para todo advogado, fazendo que o profissional tenha uma renda passiva mensal que recebe todo mês royalties pelo compartilhamento de petições com outros profissionais do direito.

“Em cerca de um ano de atuação, temos profissionais que estão conseguindo receber entre R$ 1.000 e R$ 2.000 todos os meses, apenas fornecendo suas melhores petições para outros colegas. Esses valores variam de acordo com o número de downloads o advogado recebe em suas petições. Petições com temas atuais acabam recebendo muita procura e isso impulsiona os ganhos.”

Como livros, as petições iniciais, os contratos, os recursos possuem legislação, doutrina, jurisprudência e, ainda, o raciocínio do profissional especialista naquela área de atuação que conseguiu concatenar todo o saber em uma peça apenas.

 

Cuidados com LGPD e proteção de dados

 

Ciente das novas imposições da LGPD, a equipe do JusDocs formata cada petição que chega ao seu cuidado, passando um pente fino em todas as petições compartilhadas. Basicamente, a equipe remove todas as informações sensíveis de clientes dos advogados que, por ventura, estejam na petição quando enviada:

“Após compartilhadas as petições passam por um processo de lapidação e formatação pela equipe do JusDocs. São retirados todo e qualquer dado sensível como informações pessoais de clientes, nomes de empresas, placas de veículos e etc.! O objetivo é apenas fornecer a estrutura da petição utilizada na prática e não expor o cliente daquele profissional”. Williann Georgi, CEO do JusDocs.

O objetivo é que o advogado não necessite retirar as informações das petições, na hora de compartilhar seu trabalho, facilitando o envio dos arquivos que foram utilizados na prática e deixando a cargo de uma equipe especializada a atenção à Lei Geral de Proteção de Dados.

O futuro do JusDocs

 

O JusDocs diz contar hoje com cerca de mil profissionais advogados compartilhando suas petições dentro da sua plataforma e refere que vai chegar a 3 mil até o final do ano.

Quanto ao número de petições, o JusDocs refere que vai atingir 50 mil petições até o final de 2022 e distribuir mais de 100 mil reais em royalties todos os meses.

“Nosso maior objetivo é trazer a nova economia de compartilhamento também ao  direito. Advogados ajudando uns aos outros com seu trabalho, ao mesmo tempo que recebendo pelo tempo e conhecimento dispendido na elaboração das petições.”  Williann Georgi, CEO do JusDocs.

 

O JusDocs é mais uma das LegalTechs mais promissoras dos últimos anos e mais uma possibilidade ao advogado que deseja modernizar.

 

Perfil editorial do Megajurídico, criador e editor de conteúdo.

Deixe uma resposta