renovação da locação empresarial

renovação da locação empresarialUma dúvida muito frequente aos empresários é quanto a renovação do contrato de locação de sua empresa. A ação de renovação da locação empresarial.

No exercício da profissão ouvimos dos clientes diversas dúvidas como essas: devo pagar luvas na renovação? Posso exigir que o locador renove o contrato? Até quando? Se ele vender o imóvel eu devo sair?

Bom, para os empresários que possuem seus comércios em imóveis alugados este post vai trazer algumas dicas práticas.

Vamos lá?

Proteção do fundo de comércio

                Primeiramente é preciso explicar que a Lei que rege estas relações é a Lei nº 8.245/91 (Lei de Locações) e, quando ela trata dos imóveis empresariais ela protege principalmente uma coisa que se chama “fundo de comércio”, ou seja, ela pretende proteger todos os investimentos que o empresário locatário fez no imóvel e, mais do que isso, as relações que os clientes criaram com aquele local, de modo que, se a empresa sair dali, for despejada, poderá perder os clientes que possui e os contratos que ainda fará.

Quem pode pedir

                Também há sempre a dúvida em quem pode requerer esta renovação. Em regra, podem requerer a renovação do aluguel os locatários, os sócios da atividade empresarial, os sublocatários e a massa falida da empresa. A renovação vale para os imóveis em que estão estabelecidos os comércios, indústrias e sociedades civis com fins lucrativos (autônomos em geral), desde que possuam os requisitos para tal.

Luvas

                Além disso, precisamos explicar que a lei não proíbe a cobrança das chamadas “luvas” quando do início do contrato de locação, mas veda expressamente sua cobrança quando da renovação do contrato. Isto quer dizer que o empresário pode pagar um certo valor a título de luvas para garantir a preferência na assinatura do contrato, porém o locador não pode cobrar qualquer valor para renovar tal contrato. Isto acontece para garantir que o empresário, após realizar um grande investimento, não fique à mercê do locador. Qualquer cláusula neste sentido é nula de pleno direito (art.51 da Lei 8.245/91) e a sua cobrança é até uma contravenção penal (art.43, inciso I da Lei nº8.245/91).

Requisitos para a renovação

                A Lei de Locações permite ao locatário de imóvel empresarial exigir (obrigar) a renovação do contrato caso preencha e comprove alguns requisitos:

1º – Ter contrato escrito de, no mínimo, 05 anos ininterruptos;

   A lei pede que o contrato seja escrito, com prazo determinado e tenha 5 anos de duração. Pode-se juntar também dois ou mais contratos sucessivos e ininterruptos para a soma de 5 anos, porém existe uma dúvida na doutrina e jurisprudência se vale a “soma de contratos” caso haja espaço de tempo entre eles. Entende-se, via de regra, que se o prazo for curto (ou seja, o tempo médio para que seja feita uma negociação) é possível essa soma de prazos para alcançar os 5 anos.

2º – Exploração trienal da mesma atividade empresarial;

   O empresário deve estar há, no mínimo, 03 anos na mesma atividade (restaurante, loja de roupa, consultório odontológico etc.). Isto porque, entendeu o legislador que este é um prazo mínimo para que o empresário forme uma clientela e estabeleça o tal fundo de comércio. Permite-se, no entanto, que o empresário acrescente atividades, por exemplo, uma padaria que passou também a atender como restaurante. Neste caso, se entende que não houve mudança na atividade, somente um acréscimo. Mas se for uma padaria que virou restaurante, por exemplo, necessita-se que o restaurante esteja em funcionamento por 03 anos para ter direito à renovação.

3º – Perfeito cumprimento do contrato em curso;

   O simples atraso eventual do aluguel não configura o não cumprimento do contrato. Até quando é proposta uma ação de despejo e o empresário purga a mora, pagando o quanto devido antes da continuidade da ação, também é possível entender que o contrato se encontra com cumprimento perfeito. Não pode, porém, o empresário locatário proceder recorrentes atrasos, pagar em locais não combinados, não pagar as taxas de condomínio (quando houver), tributos, seguro contra incêndio e outras demais despesas decorrentes da sua obrigação (artigo 23 da Lei nº8.245/91) vindo, nestes casos a não fazer jus à ação renovatória.  Para entrar com a ação, deve apresentar a quitação de todos estes encargos.

4º – Apresentar uma garantia;

   Deve o locatário apresentar carta assinada pelo fiador (e por seu cônjuge, se for casado(a)) que já garantia o contrato inicial, bem como pode apresentar novo fiador ou outra garantia (como caução, seguro fiança ou título de fundo imobiliário conforme artigo 37 da Lei nº8.245/91) . Em ambos os casos, é pacífica a jurisprudência no sentido de que é preciso comprovar novamente as condições financeiras do fiador antigo e da mesma maneira comprovar a situação financeira do novo fiador, se houver.

5º – Propor ação em tempo hábil;

   Começa o prazo para propor esta ação um ano antes do término do contrato e este prazo se encerra exatamente há 6 meses antes do término do contrato. Isto quer dizer que o locatário que estiver com todos os requisitos a seu favor tem 6 meses para propor a ação e estes 6 meses começam um ano antes da data do fim do contrato. Por exemplo: se o contrato atual termina em 01/01/2019, o prazo para a propositura da ação renovatória vai de 01/01/2018 até 30/06/2018. Se a ação for proposta fora deste prazo, nenhum direito é reconhecido ao empresário que poderá ser despejado pelo locador.

6º – Apresentar proposta de novo aluguel e condições do novo contrato.

   O valor do aluguel deve ser repactuado em ação renovatória, tendo em vista que, via de regra, a situação econômica do mercado sempre se altera no período mínimo de 05 anos. Desta maneira, o empresário deve propor na ação além da nova modalidade de garantia e do prazo do novo contrato, a forma e o índice de reajuste e o valor do novo aluguel, que deve ser baseado no valor de mercado.

 

Quais são as defesas do locador?

                Especificamente o locador pode propor em sua defesa as seguintes matérias:

1º Falta dos requisitos acima descritos;

   No caso de o locatário não conseguir provar qualquer dos requisitos acima, o locador pode apresentar este fato como sua defesa.

2º Insuficiência do valor do aluguel proposto pelo autor;

   O locador pode entender que o valor proposto pelo locatário não seja adequado e provar, mediante perícia, que o valor é maior do que aquele que foi pedido no processo. Caso a ação esteja em trâmite após o término do contrato inicial (o que é muito comum) o juiz pode determinar um valor provisório do aluguel (que se limita a 80% do valor pedido pelo locador) que será pago pelo locatário até a sentença final.

3º Existência de melhor proposta;

   Caso haja melhor proposta de terceiro para a locação do imóvel, pode o locador exercer sua defesa apresentando esta proposta em juízo, por escrito e com duas testemunhas. Caso o locatário possa cobrir tal proposta, ele dirá isso em juízo. Caso não possa cobrir a proposta, não haverá a renovação do contrato e o locador, juntamente com o terceiro que fez a proposta terão que indenizar o locatário pelos prejuízos que sofrer com a perda do ponto.

   Ressalta-se que a proposta deve ser feita para a implantação de empresa com outro ramo de atividade daquele do locatário. Caso seja o mesmo ramo, não valerá a proposta.

 4º Necessidade de realização de obras determinadas pelo Poder Público ou obras que aumentem o valor do negócio ou da propriedade;

   Obviamente que caso o imóvel seja requerido pelo Poder Público para realização de obras não será possível a renovação. Também é o caso se o locador comprovar que fará obras que aumentem substancialmente o valor da propriedade. Ocorre que, se tais obras não forem iniciadas em 60 dias incorre o locador em crime apenado com detenção de 03 meses a 01 ano. Devendo ser paga ainda uma multa indenizatória para o locatário no valor de 12 a 24 vezes o valor do aluguel. Se tais obras não forem iniciadas no prazo de 03 meses, deve ainda o locador indenizar o locatário em todos os prejuízos que sofreu.

5º Utilização própria do imóvel ou dos descendentes, ascendentes ou cônjuges que se estabeleçam no local.

   Esta é a chamada “exceção de retomada”. Se desdobra em duas hipóteses: a primeira é para o uso próprio do locador. Nesta hipótese, caso o locador for usar pessoalmente o imóvel não cabe a renovação da locação. Este uso poder ser residencial ou empresarial, caso em que o ramo empresarial não pode coincidir com aquele que o locatário exerce.

    Na segunda hipótese é quando o locador vai usar o imóvel para empresa em seus descendentes, ascendentes, cônjuges ou ele próprio tenha maioria do capital social, também sendo necessário que não seja no mesmo ramo de atividade do locatário e que a empresa tenha mais de um ano de funcionamento.

 

Prazo que se renova o contrato

                Entende-se que o prazo que se renova o contrato é pelo prazo do contrato já existente, ou seja, se o empresário tem um contrato de locação de 05 anos, a ação de renovação irá gerar um novo contrato com o prazo de mais 05 anos. Com este raciocínio podemos afirmar que, se o último contrato tiver 03 anos (sendo somado com um anterior de 02 anos para completar o requisito de no mínimo 05 anos) geraria um novo contrato com o prazo de apenas mais 03 anos.

                Ocorre que a jurisprudência tem entendido que, como o prazo mínimo para a propositura da ação de renovação é de 05 anos, o resultado da ação não pode ser menor do que isso, pois a inteligência do artigo 51 da Lei nº 8.245/91 diz que cabe a renovação “por igual prazo”, e traz como requisito um prazo de 05 anos de contratos ininterruptos. Desta forma, muitas decisões vêm aceitando a renovação pelo prazo de 05 anos, independentemente do prazo do último contrato.

                Da mesma forma, discute-se a possibilidade da ocorrência de várias proposições de ação renovatória, consecutivas, de modo a fazer com que o locador fique eternamente obrigado a locar o imóvel para o empresário locatário, que a cada 05 anos, por exemplo, propõe nova ação e consegue em juízo a posse do bem. Esta possibilidade certamente é um verdadeiro limitador do direito de propriedade. Ocorre, porém, que tanto a doutrina quanto a jurisprudência, em sua maioria, afirmam ser possível tal situação pois, consagrados os direitos do empresário em renovar o aluguel, em prol da proteção constitucional à livre iniciativa, exerce-se esta limitação ao direito de propriedade, já que este direito não é absoluto e a lei traz várias hipóteses em que há a possibilidade de retomada do imóvel.

A retomada do imóvel

                Caso seja julgada improcedente a ação renovatória, o locador pode pedir o despejo do empresário locatário no prazo de 30 dias.

                Mesmo que o empresário recorra da decisão, ainda assim pode ser despejado, se o locador fizer este pedido na contestação e se apresentar em juízo uma caução no valor de 06 a 12 meses de aluguel (a ser determinada pelo juiz). Somente neste caso, poderá exigir o despejo do locatário em sede de execução provisória da sentença.

Cláusula de vigência

                É muito importante também frisar o seguinte: para o empresário locatário (principalmente aquele que pagou luvas ou que eventualmente comprou o estabelecimento empresarial junto com a locação) todo contrato de locação deve ter uma cláusula de vigência. Esta cláusula diz que os eventuais adquirentes do imóvel ora locado ficam obrigados a respeitar o prazo do contrato, pactuado com o locador. Com a presença desta cláusula é necessário que o contrato seja registrado na matrícula do imóvel locado, no Cartório de Registro de Imóveis.

                Desta forma o empresário se garante caso o locador venda o imóvel, já que, caso não exista esta cláusula e/ou o contrato não esteja registrado em cartório, o adquirente poderá notificar o empresário no prazo de 90 dias após a alienação, dando prazo de 90 dias para o empresário desocupar o imóvel, sob pena de despejo.

                E, neste caso, mesmo se o imóvel for doado, o donatário também pode exigir que o empresário desocupe o imóvel, nos mesmos termos.

 

Pois bem, estes são alguns aspectos da ação renovatória.

Espero que os tópicos aqui tratados tenham ajudado seu estudo ou a melhor compreensão do tema.

Acompanhem as publicações do MegaJurídico também pelo facebook, compartilhem este post com pessoas que tenham interesse pelo tema e, caso tenham alguma dúvida, comentem abaixo para aprofundarmos mais no estudo.

Forte abraço e até a próxima!!

Deixe uma resposta