segunda-feira, 22/julho/2024
TribunaisAlegação de atitude suspeita não justifica abordagem policial

Alegação de atitude suspeita não justifica abordagem policial

O Superior Tribunal Justiça já decidiu que a mera alegação genérica de “atitude suspeita” é insuficiente para validar busca pessoal ou veicular. A localização de objetos ilícitos após a revista não a justifica. Assim, a 13ª Vara Criminal do Foro Central da Barra Funda, em São Paulo, absolveu um homem de uma acusação de tráfico de drogas.

O réu foi preso em flagrante com 42,2 gramas de maconha em 43 porções. A defesa, feita pelo advogado Bruno Ferullo, alegou ilegalidade na abordagem dos policiais militares e pediu a absolvição.

Os PMs disseram que estavam em patrulhamento preventivo, avistaram o homem em uma motocicleta carregando um pequeno saco preto nas costas e deram sinal de parada. O acusado iniciou uma fuga.

Os agentes também alegaram que viram o réu desembarcando rapidamente da moto e arremessando a sacola embaixo de um carro estacionado. Ao alcançarem o homem, recuperaram o saco preto, no qual encontraram a droga.

Mais tarde, o réu negou estar com uma mochila preta contendo maconha ou ter dispensado algo do tipo embaixo de um veículo. De acordo com seu relato, ele trazia apenas a capa preta do seu capacete. O homem também disse que fugiu porque não portava CNH e tinha passagens pela polícia.

O juiz Gerdinaldo Quichaba Costa observou que os PMs apresentaram duas versões diferentes. Na fase de investigação, informaram que o réu apresentou nervosismo ao vê-los, sem explicar no que isso consistiria. Já em Juízo, disseram que o acusado passou em alta velocidade e passou a olhar para trás, desviando-se dos veículos.

Os policiais afirmaram que decidiram abordar o réu devido à sua conduta suspeita. Mas, para o magistrado, há duvidas sobre o que seria isso: “Não ficou muito claro se houve fundada suspeita que respaldasse a abordagem do acusado e se esta foi legítima”.

Mesmo que houvesse fundada suspeita, Costa teve dúvidas sobre o desenrolar dos fatos. Uma testemunha residente do local da abordagem disse que presenciou a prisão e que o réu não possuía nada em mãos nem dispensara algo no local.

“Realmente seria deveras estranho que o réu, após longa perseguição a bordo de uma motocicleta, que teria durado cerca de sete minutos e passado por diversas vias, não tivesse oportunidade de ter desvencilhado da sacola com as drogas”, destacou o juiz. “A quantidade de entorpecentes era muito baixa e seria fácil a sua dispensa”.

Os próprios PMs informaram que o acusado chegou a parar a moto e que eles desembarcaram de seus veículos e foram a pé até ele, quando teve início a fuga. “É notório, portanto, que o réu conseguiu certa vantagem em relação aos agentes, não sendo plausível que os policiais não tenham perdido o acusado de vista em algum momento, em especial quando ele saía de uma rua e adentrava em alguma outra, dando azo para que ele arremessasse a sacola comas drogas, caso assim quisesse”, ressaltou.

Processo 1500766-76.2020.8.26.0228

Perfil editorial do Megajurídico, criador e editor de conteúdo.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -