quinta-feira, 25/julho/2024
ColunaTrabalhista in focoO teletrabalho e o direito à desconexão: impactos da reforma trabalhista

O teletrabalho e o direito à desconexão: impactos da reforma trabalhista

Coordenador: Ricardo Calcini

As transformações do mundo demandam permanente adaptação da ordem jurídica, inclusive na seara laboral. O advento de novas tecnologias implica na adaptação do texto formal da lei às novas dinâmicas do trabalho. Em 2011, o art. 6º [1] da CLT foi alterado, vedando as distinções do trabalho realizado no estabelecimento empresarial e o executado fora da empresa; e equiparando os efeitos jurídicos da subordinação por meios telemáticos e informatizados à exercida por meios pessoais e diretos.

O trabalho à distância já era uma realidade no mundo corporativo antes mesmo dessa mudança. Todavia, foi apenas com o advento da Lei nº 13.467/2017, a chamada “reforma trabalhista”, que a legislação do trabalho passou efetivamente a dispor de regras específicas acerca do teletrabalho.

Seja, em sua residência (home office) ou em prestação remota (anywhere office), o teletrabalho pode gerar vantagens para ambas as partes da relação empregatícia, uma vez que o trabalhador pode realizar suas funções sem os transtornos do deslocamento até o local de trabalho e retorno, com liberdade de mobilidade; enquanto a empresa reduz significativamente seus custos, principalmente com energia elétrica e equipamentos de tecnologia.

Porém, é mister a reflexão: será respeitado o direito do empregado ao desligamento do trabalho? A comodidade de não precisar sair de casa para trabalhar compensará o excesso de produtividade que se espera de um teletrabalhador? Haverá um controle efetivo das horas laboradas?

O art. 75-B, “caput” da CLT [2] conceitua o teletrabalho e os demais artigos do Capítulo II-A o caracterizam e regulamentam. Contudo, no que concerne a duração do trabalho, o legislador da reforma incluiu no art. 62 da CLT, o inciso III, que expressamente retira a aplicação dessas regras aos empregados em regime de teletrabalho.

Isso pode ocasionar uma interpretação de que haveria a cobrança do empregador por resultados e metas, sem, entretanto, a devida atenção ao tempo despendido para a realização de atividades, bem como o seu controle. Seria essa a nova realidade para essa espécie de trabalho remoto?

Dada a devida vênia, é um equívoco do legislador presumir que o teletrabalho exclui, por si só, qualquer meio eficaz de controle do tempo de trabalho do empregado. O legislador falhou, gravemente, no seu dever protetivo perante o teletrabalhador, especialmente considerando que é plenamente possível compatibilizar o trabalho à distância com o controle de jornadas nesse caso, que pode ser realizado, por exemplo, por meio de registro eletrônico de entrada e saída da intranet da empresa (log in e log out).

Em tempo, é importante trazer a esse debate que o direito à desconexão é direito fundamental do trabalhador, sendo norma de segurança e higiene do trabalho. Trata-se se um direito imprescindível para a garantia da dignidade da pessoa humana.

Para Jorge Luiz Souto Maior [3], “quando se fala em direito a se desconectar do trabalho, que pode ser traduzido como direito de não trabalhar, não se está tratando de uma questão meramente filosófica ou ligada à futurologia (…), mas sim numa perspectiva técnico-jurídica, para fins de identificar a existência de um bem da vida, o não-trabalho, cuja preservação possa se dar, em concreto, por uma pretensão que se deduza em juízo.”

A temática está prevista em diversos diplomas normativos internacionais ratificados pelo Brasil, como a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), o Pacto Internacional Relativo aos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (1966), o Protocolo de São Salvador (1988); e nacionais, como a Constituição Federal de 1988, no seu artigo 7º. Vale lembrar, ainda, que um dos fundamentos da nossa República Federativa é a dignidade da pessoa humana, com atribuição de valor social ao trabalho, conforme preconiza o art. 1º, incisos III e IV da CF/88.

Não há que se demonizar o teletrabalho, muito pelo contrário. Trata-se de um reflexo da evolução das relações sócio laborais, impulsionada pelos avanços da tecnologia. Inclusive, a expectativa hoje é de que o teletrabalho seja uma realidade cada vez mais presente no meio de trabalho contemporâneo. Respeitados os direitos fundamentais do trabalhador e o princípio protetor do Direito do Trabalho, o trabalho extramuros pode se mostrar uma alternativa inteligente, eficiente e econômica, tanto para a empresa, quanto para o empregado.

No teletrabalho, não obstante a previsão literal do texto trazido pela reforma trabalhista, não dá carta branca para o empregador abusar das forças de trabalho dos seus empregados. A “reforma trabalhista” não anulou o princípio da proteção ao empregado, nem as disposições acerca do direito à desconexão.

A permanente vinculação ao trabalho, sem limites de duração de jornada, subjugando os teletrabalhadores apenas a resultados e metas determinadas pelo empregador, é um afronto aos direitos fundamentais constitucionalmente previstos, bem como aos diversos diplomas normativos internacionais ratificados pelo Brasil.

Portanto, mesmo com as mudanças trazidas pela regulamentação da reforma trabalhista, permanece o direito do empregado de desligar-se do trabalho e, ainda que haja ausência de lei expressa, deve ser garantido ao empregado meio efetivo de controle de duração do trabalho, garantindo uma prestação laboral sadia e humana, por ser norma de saúde, segurança e higiene do trabalho, sob pena de reparação civil do empregador por danos morais e materiais causados.

 


Referências:

[1] Art. 6º, CLT.  Não se distingue entre o trabalho realizado no estabelecimento do empregador, o executado no domicílio do empregado e o realizado a distância, desde que estejam caracterizados os pressupostos da relação de emprego.
Parágrafo único.  Os meios telemáticos e informatizados de comando, controle e supervisão se equiparam, para fins de subordinação jurídica, aos meios pessoais e diretos de comando, controle e supervisão do trabalho alheio.

[2] Art. 75-B, CLT.  Considera-se teletrabalho a prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador, com a utilização de tecnologias de informação e de comunicação que, por sua natureza, não se constituam como trabalho externo.
Parágrafo único.  O comparecimento às dependências do empregador para a realização de atividades específicas que exijam a presença do empregado no estabelecimento não descaracteriza o regime de teletrabalho.

[3] SOUTO MAIOR, Jorge Luiz. Do Direito à Desconexão. Disponível em https://www.jorgesoutomaior.com/uploads/5/3/9/1/53916439/do_direito_%C3%A0_desconex%C3%A3o_do_trabalho..pdf

Advogada trabalhista graduada na Universidade Federal Fluminense (UFF), pós-graduada em Direito e Processo do Trabalho pelo IBMEC/RJ e pós-graduanda em Direito Empresarial do Trabalho pela FGV/RJ. Foi membro da Comissão OAB Mulher da Seccional do Rio de Janeiro. Articulista de temas trabalhistas.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

3 COMENTÁRIOS

  1. Olá Dra. Fabiana.
    Perfeita suas colocações quanto ao teletrabalho e o direito ao “não trabalho”.
    Me permita apenas narrar o que penso sobre o assunto, visando agregar a sua contribuição com o mundo jurídico.
    Acredito que o Poder Legislativo, o próprio Regulamento Interno das empresas, os órgãos representantes de classe ou até mesmo o MTE devem se preocupar em estabelecer parâmetros para a realização dessa forma de labor, pois não se trata apenas de controle de jornada, mas sim da saúde do trabalhador. Afinal, a hora extra deve ser a exceção, limitada a 2 (duas) diárias e sem serem habituais.
    Assim, se a Legislação ordinária não prevê tais limites, deve-se criar esses parâmetros, para que possa-se haver efetividade na aplicação das leis.
    Ainda, tem-se o Ministério Público do Trabalho, como fiscal da lei e também como órgão patrocinador do interesse público, que pode atuar na observação e aplicação da Constituição Federal (artigo 7º, inciso XXIX).
    Por isso, a hermenêutica jurídica permite aos operadores do Direito detectar a necessidade de complementação da legislação, a fim de alcançar o “bem comum”.
    Meus parabéns pela matéria e espero poder ler mais de seu conhecimento.

  2. Ótimas reflexões Dra. Fabiana!
    As inovações tecnológicas agregadas aos meios de produção não devem chocar-se com direitos trabalhistas já consagrados no ambiente regulatório vigente. Os pontos elencados parecem se revestir de maior importância, e merecedores de especial atenção, sobretudo pelos empregadores, dados os riscos que podem representar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -