quarta-feira, 24/julho/2024
ArtigosEm briga de marido e mulher se mete a colher, sim!

Em briga de marido e mulher se mete a colher, sim!

Por Luana Mello*

Olá leitores queridos e simpatizantes! Hoje vou polemizar e falar sobre um fato infeliz e muito comum em todos os lugares do Brasil. Você sabia que  a cada 2 minutos 5 mulheres são agredidas em nosso país?

Antes de começar a estagiar em uma delegacia, eu tinha uma opinião absoluta a respeito desse assunto até passar a ver os fatos através de outra perspectiva.

Que mulheres são agredidas todos os dias não é mais novidade, certo? Mas ai eu pergunto de vocês: O que leva esse ser humano com toda a sua feminilidade, delicadeza, inteligência (nesse caso nem tanto) a prestar uma notitia criminis (vulgo queixa) em uma delegacia e depois de dois dias voltar para retirá-la?

Logo no início do estágio, quando chegavam mulheres machucadas, chorando, contando a sua sofrida história de vida e etc. Eu tinha vontade de pegá-las no colo, resolver todos os problemas e sentia cada vez mais raiva de homens que submetiam essas mulheres a passarem por isso. Porém meus caros, o erro se encontra justamente ai. Com o passar do tempo é normal que nós aprendamos a prática do negócio, porque se tem algo pior do que o estágio é o inicio dele.

Mas enfim, continuando… o que se aprende é que, na maioria das vezes são essas próprias mulheres que se submetem a agressão, elas chegam até a delegacia, fazem maior choradeira e no outro dia aparecem com a cara lavada dizendo que cometeram um erro, que estão arrependidas, que amam o fulano  e mimimi depois pegam porrada novamente e o ciclo se repete.

É revoltante não é? Acontece que logo depois da agressão e das brigas o companheiro se mostra, arrependido, com juras de amor e que nunca mais irá agredi-la, desculpando-se, fazendo com que a mulher (coitada) acredite no arrependimento dele e ela acaba desistindo de deixá-lo.

 

A respeito do meu estágio, essa é uma das coisas que mais me irritam! Se eu realmente eu pudesse intervir, eu interviria. Entendam, não estou dizendo que sou a favor da violência, mas sim contra essas atitudes que não colocam um fim a essa prática.  Tanto que temos a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006)  que é reconhecida por ampla maioria da população (84% de popularidade entre brasileiras e brasileiros – Ibope/Themis).

 

O assunto é complexo e o espaço é curto, mesmo assim quero deixar meu recado:

MULHERES! não aceitem se quer um grito, não se envergonhem, não se entreguem nunca, denunciem todo e qualquer tipo de agressões (Central disk 180 –  É o disque-denúncia para violência contra a mulher. Vale para todo o território nacional, e a ligação é gratuita. Atende todos os dias, inclusive finais de semana e feriados, durante as 24 horas)

E por favor, não volte para esse homem! Façam valer os seus direitos!

Essa é a única forma de estancar o ciclo da violência da qual a mulher é a grande vítima.

 

Abraços de uma estagiária revoltada e até semana que vem!

*Luana Mello, colaborou com nosso site por meio de publicação de conteúdo. Ela é estudante de Direito, e além da faculdade, ainda estuda para concursos públicos.

envie-artigo-pj

 | Website

Você pode enviar seu artigo para ser publicado. Leia a página COLABORE e saiba mais.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -