sexta-feira, 12/julho/2024
Poesia jurídicaSomos propriedade particular, mas não pertencemos a ninguém, senão a nós mesmos

Somos propriedade particular, mas não pertencemos a ninguém, senão a nós mesmos

Acima de tudo, o direito de propriedade é cláusula pétrea, previsto no “caput” e no inciso XXII do artigo 5º da Constituição Federal.

Assim, todo e qualquer proprietário deve atribuir uma função social à sua propriedade. Quer dizer que esse seu direito de constituir patrimônio não é meramente um direito subjetivo, muito menos um direito absoluto. “A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: II propriedade privada; III função social da propriedade privada” (art. 170, II e III da CF).

Cumprir a função social, como demanda o texto constitucional, é promover a propriedade particular para o bom convívio coletivo, ou como orienta o parágrafo 1º do artigo 1.228 do Código Civil:

“O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas.”

Somos ou não somos propriedade?

Direito de adquirir e constituir patrimônio nós temos. E o direito de sermos considerados patrimônio? Propriedade, seja material ou imaterial, é coisa de determinado valor monetário, histórico, urbanístico, arquitetônico, cultural e sentimental. E será que o ser humano pode ser classificado como bem? Bem de consumo ou bem permanente?

Toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil” assim inicia o nosso Código Civil. Então, se tratando de pessoa capaz, consciente e independente, pode-se entender – à luz da filosofia jurídica – que o ser humano possui o direito de usar, gozar, dispor e de reaver a si próprio.

Porém, o princípio da dignidade da pessoa humana e os direitos humanos não autorizam, de forma alguma, alguém ser considerado propriedade de outro. Ninguém pode ser escravo ou refém do interesse alheio.

Artisticamente, tudo é possível

O cantor e compositor Lulu Santos já definiu na canção “propriedade particular”, uma situação em que alguém deseja sentir pertencido a outra pessoa, conforme o trecho da letra: “Queria que tu tivesses ciúmes de mim, queria te ver armar uma cena assim, xingando e quebrando coisas, subindo em mesa de bar, dizendo ‘aqui ninguém tasca, é propriedade particular’ “

E agora, a presente poerídica (poesia jurídica) permite a nomeação de propriedade dada à pessoa, porém, com merecidas ressalvas e com todo devido respeito.

Poerídica: Somos propriedade particular

Eu sou proprietário de mim.
Sou único e exclusivo titular.
Saiba que ninguém me possui,
só Deus pode me desapropriar.

Por mais que o amor influencie
na ideia de pertencer a alguém,
sentimento que envolve matéria
não atrai o coração de ninguém.

Embora eu goste de fazer o bem,
não sou bem de uso comum.
Não poderá usar, gozar e dispor
achando que eu sou qualquer um!

Eu sou propriedade privada
que cumpre a função moral
dada pelos direitos humanos
e pela propriedade intelectual.

Não alugue o meu tempo,
pois não sirvo para locação.
Não restrinja os meus sonhos,
pois aqui não cabe intervenção.

Eu pertenço às minhas ideias
e não ao ideal alheio.
Meu tesouro inestimável
estão nos sentimentos que semeio.

Trata-se de Direito Público
o que interessa a coletividade.
E trata-se de Direito Privado
a nossa íntima intimidade.

Contudo, se eu te chamar de “minha”
não é no sentido patrimonial,
é como direito personalíssimo
de quem te ama por igual.

Então, se eu te chamar de “meu bem”,
não faço referência ao bem material,
só quero dizer que você é fundamental
para que eu esteja bem…

Por fim,
você jamais será minha propriedade,
eu jamais terei o domínio sobre você,
mas, apenas gostaria de ter a posse…
….a “possebilidade”
de estar sempre ao seu lado.

Escritor, poeta e advogado.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -