segunda-feira, 24/junho/2024
ColunaElite PenalO Mapa da Mina da Lei de Lavagem de Capitais

O Mapa da Mina da Lei de Lavagem de Capitais

Prezados, nesse artigo trarei para vocês o mapa da mina da Lei de Lavagem de Capitais – Lei 9.613/98, abordando os pontos exigidos com maior frequência nos concursos da área policial. A partir de hoje, vocês vão GABARITAR TODAS AS QUESTÕES SOBRE ESSA LEI. Trata-se de uma lei que está extremamente em voga nos concursos policiais e certamente será um tema exigido em sua prova.  Vamos a ela…

mapadaminalavagem

Lei de Lavagem de Capitais – Lei 9.613/98

PONTO 1.  A lei de lavagem de capitais, segundo a jurisprudência, é um crime pluriofensivo, pois, em um primeiro plano, o crime de lavagem atinge a administração da justiça, por tornar difícil a recuperação dos produtos do crime e, secundariamente, o sistema financeiro nacional e a ordem econômico-financeira são atingidos, conforme Ação Penal 470. Porém, não podemos negar que o tema é divergente. Há quem entenda que o bem jurídico tutelado pela referida norma é o mesmo da infração antecedente;outros afirmam que a norma tutela a Administração da Justiça; e tem aqueles que afirmar que o bem jurídico albergado seria a ordem econômico-financeira. (Fiquem atentos à posição da jurisprudência!)

 

PONTO 2.  No que diz respeito ao elemento subjetivo, o crime de lavagem de capitais exige o dolo do agente, seja ele direto ou eventual, não se admitindo a lavagem de capitais na modalidade culposa. Não é necessário que o agente tenha conhecimento específico da infração antecedente praticada, bastando para a reprovação que tenha conhecimento da origem e natureza delituosa dos valores, bens ou direitos envolvidos.

 

PONTO 3.  Na lavagem de dinheiro, ao revés do que ocorre na receptação e favorecimento real, mesmo quem contribui para a infração antecedente deve responder de forma autônoma pela infração consequente, visto que os bens jurídicos são distintos, HC 15068 – HC 76904.

PONTO 4. Há fundada controvérsia na doutrina acerca da natureza do crime do art. 1 °, caput, da Lei nº 9.613/98, se material ou formal. Grande parte da doutrina sustenta que se trata de crime de natureza formal. . Porém, Renato Brasileiro defende que se trata de crime material, exigindo resultado naturalístico para sua consumação. Assim, para o referido autor, se o agente não consegue de fato ocultar os valores, ocorrerá tentativa de lavagem de capitais. Já Regis Prado defende que é crime de mera conduta.

PONTO 5. Ao contrário da ocultação, que pode ocorrer omissiva ou comissivamente, a dissimulação só pode ser praticada comissivamente.

PONTO 6. Há grande controvérsia sobre a classificação do crime de lavagem em instantâneo ou permanente. A primeira corrente defende que os verbos utilizados no art. 1 °, caput, da Lei nº 9.61 3/98 – ocultar e dissimular – denotam a existência de crime de natureza permanente, com um continuum criminoso com execução em andamento enquanto o bem permanecer escondido. Doutrina majoritária e STF, HC 113.856-MC/SP. Outros, porém, afirmam que se trata de um crime instantâneo de efeitos permanentes, hipótese em que o crime de lavagem consuma-se com a ação de esconder, funcionando a manutenção da ocultação como um efeito permanente do comportamento inicial.

PONTO 7. A punição da lavagem de capitais não depende do trânsito em julgado da infração antecedente que dá origem a lavagem.

PONTO 8.  Como o objeto da lavagem de capitais deve ser produto direto ou indireto de uma infração penal, depreende-se que valores provenientes de ilícitos civis ou administrativos não estão abrangidos pela Lei nº 9.613/98. Logo, bens, direitos ou valores oriundos de atos de improbidade administrativa não podem ser objeto da lavagem de capitais. Idêntico raciocínio aplica-se aos chamados crimes de responsabilidade, que, na verdade, são infrações político-administrativas.

 

PONTO 9.  A competência, para fins de julgamento do delito de lavagem, dever ser analisada à luz da infração penal antecedente. Assim, se a infração antecedente for de competência da justiça federal ou atentar contra o Sistema Financeiro Nacional, ordem econômico-financeira e bens, interesses ou serviços da União, ou de sua entidades autárquicas e empresas públicas, a competência será da justiça federal, sendo residual a competência da justiça estadual.

 

PONTO 10.  A pena é aumentada se o crime de lavagem é cometido de (1) forma reiterada ou se praticada na (2) forma de organização criminosa.

 

PONTO 11.  Nos crimes de lavagem de dinheiro, permite-se a ação controlada, porém, exige-se autorização judicial, devendo ser ouvido o MP sobre a decisão. A lei não prevê a possibilidade de INFILTRAÇÃO DE AGENTES para investigação de crimes envolvendo lavagem de dinheiro.

 

PONTO 12.  A TEORIA DA CEGUEIRA DELIBERADA OU TEORIA DO AVESTRUZ nasce do caso EUA vs. Campbell em que a imobiliária realizou um negócio com um cliente que demonstrava grande riqueza e que a imobiliária desconfiou do modus de aferição de riqueza do cliente, porém sem requisitar qualquer comprovação de renda, realizou o aludido negócio. Nesse caso, o Tribunal Americano decidiu pela condenação, visto que fora constatado que o cliente era um traficante de drogas e que a imobiliária, mesmo desconfiando da origem ilícita dos valores, realizou a venda do bem, cegando deliberadamente quanto à possível ilegalidade que revestia o objeto de pagamento. Esta teoria trata nada mais, nada menos, do que a aplicação do dolo eventual diante do delito de lavagem de capitais.

 

PONTO 13. Importante destacar que, em regra, subsiste a punibilidade do crime de lavagem de capitais ainda que extinta a punibilidade da infração penal antecedente. Contudo, na anistia e abolitio criminis temos hipóteses de novatio legis que deixa de considerar o fato precedente como crime, com efeitos ex tunc, subsistindo tão somente os efeitos civis do deliro. Logo, a anistia e a abolitio criminis alteram a qualidade dos bens ocultados por meio da lavagem, que deixam de ser considerados provenientes de infração penal, afastando, assim, o juízo de tipicidade do crime de lavagem de capitais.

 

PONTO 14. A denúncia sobre a imputação do crime de lavagem de dinheiro deve estar instruída com indícios suficientes da existência da infração antecedente, sendo punível o autor do delito da lavagem de dinheiro mesmo que desconhecido ou isento de pena o autor, ou ainda extinta a punibilidade da infração antecedente.

 

PONTO 15. Considerando que, por força da Lei nº 12.683/12 , toda e qualquer infração penal poderá figurar como antecedente da lavagem de capitais, conclui-se que passa a ser possível a lavagem da lavagem (lavagem em cadeia).

 

Bom, pessoal, é isso aí! Quem leu até o final certamente terá grandes instrumentos não só para as questões objetivas, mas também para questões subjetivas e orais!

Foco e disciplina: esse é o caminho! Forte abraço a todos!

Prof. Filipe Martins

Conheça mais o nosso trabalho: facebook.com/canalcarreiraspoliciais

canal-carreiraspoliciais-filipe

 | Website

Você pode enviar seu artigo para ser publicado. Leia a página COLABORE e saiba mais.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -