segunda-feira,4 março 2024
ColunaTrabalhista in focoJaneiro Branco – Cuidar da mente, é cuidar bem da vida. Como...

Janeiro Branco – Cuidar da mente, é cuidar bem da vida. Como as Empresas podem contribuir?

Coordenadora: Ana Claudia Martins Pantaleão

Você já ouviu falar do Janeiro Branco? Não é um movimento novo, mas tem se tornado cada vez mais conhecido, devido ao elevado número de casos.

Trata-se de um movimento voltado para a saúde mental criado em 2014. A campanha visa à cultura do cuidado para com as pessoas, na definição de Luciano Mello, presidente da Neuro Sucess, empresa de desenvolvimento de felicidade corporativa situada em São Paulo:

“Além de sermos o país mais ansioso do mundo, somos o quinto no ranking de depressão e estamos em segundo lugar na fila do burnout”.

Não por outra razão, o mês de janeiro é o escolhido para a realização do movimento, justamente por se tratar do primeiro mês do ano, trazendo aquela ideia de início de um novo ciclo, que proporciona abertura às possibilidades de mudança de hábitos e comportamentos.

Nesta época, as pessoas estão mais propensas a refletirem sobre as questões existenciais, relações sociais e suas emoções. O objetivo da campanha é chamar a atenção da humanidade para as necessidades relacionadas à saúde mental e emocional, mas também desmistificar os tabus que envolvem o tema e promover a criação de ações, principalmente por parte das empresas em atividades que proporcionem melhores condições aos seus colaboradores.

Nas organizações, brasileiras, o aumento de casos de burnout e a criação de novas leis para a proteção de trabalhadores faz com que essa discussão esteja cada vez mais em pauta.

Sendo o Burnout um desgaste que prejudica os aspectos físicos e emocionais do indivíduo e é um fenômeno reconhecido como uma síndrome ligada ao trabalho segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Afinal, quem nunca se deparou com algum tipo de desgaste emocional que tenha afetado a sua saúde mental, já pode ser considerado como sendo uma exceção, e, caso não tenha sofrido, possivelmente conheça alguém que passa e enfrenta essa questão.

O Brasil é considerado o país mais ansioso do mundo, estudos revelam que (9,3%) da população sofre de ansiedade, sendo o segundo maior da América em depressão (5,8), conforme levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-americana da Saúde (OPAS).

Os dados só reforçam a importância do Janeiro Branco, mês dedicado à conscientização aos cuidados da saúde.
E por que isso se torna também uma preocupação para a empresa?

Sob o relevo de que a principal influência está diretamente ligada ao aumento do afastamento laboral, não obstante ainda, a afetação ao desenvolvimento econômico. Ou seja, é um tema que deve e merece ser discutido também em âmbito profissional.

Um dos principais fatores está ligado ao estresse laboral com a consequente causa de problemas de saúde mental e que pode ser causado por uma variedade de fatores. A título de exemplo temos: sobrecarga de trabalho, pressão excessiva para atingir metas, assédio moral e sexual, falta de apoio da liderança e dos colegas, falta de oportunidades e até mesmo falta de recursos e ferramentas para realizar as atividades.

Considera-se ainda que, o estresse prolongado pode levar a problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão, podendo causar, ainda, problemas físicos, como dores de cabeça e problemas cardíacos, dentre outros tantos.

É possível detectar os problemas de saúde mental na Empresa?

Existem diversas formas de minimizar os problemas de saúde mental no trabalho, sendo algumas das principais:

Atuação direta, através de uma liderança efetiva e através dos colegas de trabalho, observando as mudanças no comportamento ou no desempenho dos funcionários, tais como: ausência frequente, diminuição na qualidade do trabalho ou alterações na personalidade, a fim de descobrir e trabalhar na causa do problema, demonstrando apoio e parceria.

Outra questão que muito se fala é sobre a ausência de Feedback. Os funcionários podem ser incentivados a compartilhar suas preocupações e dificuldades relacionadas à saúde mental, através de entrevistas individuais.

Uma avaliação por parte da empresa em monitorar dados, como absenteísmo, rotatividade e avaliações de desempenho para identificar tendências e padrões que possam indicar problemas de saúde mental também é um caminho a ser seguido.

É importante ainda estar atento a sinais de alerta como mudanças bruscas no comportamento ou desempenho, aumento do uso de álcool ou drogas, isolamento social, e fala de suicídio ou pensamentos suicidas.
Seria ainda possível a atuação ligada ao Compliance Trabalhista?

Uma das formas possíveis de combate seria a atuação das organizações, através do Compliance Trabalhista em implementar políticas e práticas que promovam a saúde mental dos funcionários, como programas de bem-estar, flexibilidade no horário de trabalho, e acesso a serviços de assistência emocional.

Além disso, as empresas podem promover o equilíbrio entre vida profissional e pessoal, já que uma para com a outra está intrinsecamente relacionada.

Uma das maneiras de melhorar o clima organizacional e prevenir diversos problemas e ilegalidades que estão relacionados com a saúde mental, como o assédio, é adotar um canal de denúncias anônimas na empresa, desde que seja efetivo.

Ao detectar e lidar com problemas de saúde mental no trabalho, as empresas podem ajudar a melhorar o bem-estar dos funcionários, o que aumentará a produtividade e eficácia da equipe, evitando-se assim os altos índices de afastamentos, além da contribuição ao bem maior, chamado vida.

Especialista em Direito do Trabalho pela Puc – Cogeae – SP, Pós-Graduanda em Direito Previdenciário, pela Instituição de ensino Damásio de Jesus - unidade Liberdade - SP. Formada pela Universidade Cidade de São Paulo – Unicid. Conta com mais de 10 anos de atuação, possui, ainda, experiência na área de Direito Civil.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Mais do(a) autor(a)

Últimas

- Publicidade -