quarta-feira, 24/julho/2024
ArtigosDos Prazos Recursais no Processo Civil e Análise da lei 11.419/06

Dos Prazos Recursais no Processo Civil e Análise da lei 11.419/06

Por Fagner Pias*

Caros leitores!
Hoje iremos falar sobre Prazos Recursais, disciplinados no Código de Processo Civil.

Lembrando que os recursos cabíveis de acordo com CPC (art. 496) são:

  • Apelação;
  • Agravo;
  • Embargos infringentes;
  • Embargos de declaração;
  • Recurso ordinário;
  • Recurso especial;
  • Recurso extraordinário;
  • Embargos de divergência em recurso especial e em recurso extraordinário.

Prazos Recursais no Processo Civil

Cumpre esclarecer que o prazo para interposição de recurso, contar-se-á da leitura da sentença em audiência; da intimação às partes, quando a sentença não for proferida em audiência ou da publicação do dispositivo do acórdão no órgão oficial.

Na apelação, nos embargos infringentes, no recurso ordinário, no recurso especial, no recurso extraordinário e nos embargos de divergência o prazo para interpor e para responder é de 15 (quinze) dias, conforme estabelece o artigo 508 do CPC.

Os demais recursos seguem o seguinte regramento:

Agravo – 10 (dez) dias, art. 522 do CPC;

Embargos de declaração – 05 (cinco) dias, art. 536 do CPC;

Logo, apenas dois recursos têm prazos diferenciados, quais sejam, agravo (10 dias) e embargos de declaração (05 dias). Os demais recursos seguem a regra do artigo 508 do CPC (15 dias).

prazos recursais

CONTAGEM DO PRAZO – Lei 11.419/06

Uma dúvida recorrente dos operadores do direito é como se dá a contagem do prazo.

A lei 11.419/06 estabeleceu sobre a informatização do processo judicial, alterando alguns artigos do CPC.

Dispõe a lei que o uso de meio eletrônico na tramitação de processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais será admitido.

A mencionada lei criou autorizou a utilização do Diário da Justiça eletrônico, ferramenta disponibilizada em sítio da rede mundial de computadores, para a publicação de atos judiciais e administrativos próprios e dos órgãos a eles subordinados.

Mas, afinal, como se conta o prazo de acordo com a lei 11.419/06?

É simples.

O artigo 5º estabelece que, sendo o processo eletrônico, a intimação considerar-se-á realizada no dia em que o intimado efetivar a consulta eletrônica ao teor da intimação. Caso esta consulta se dê em dia não útil, a intimação será considerada como realizada no primeiro dia útil seguinte.

Mas e se caso a parte não faça a consulta no processo eletrônico? Quando ela será intimada?

Simples, conforme prevê o §3º do artigo 5º da lei 11.419/06, a consulta que não for realizada (espontaneamente) em 10 dias corridos, será considerada a intimação automaticamente realizada, na data do término dos 10 dias.

 

E no caso de processo físico, aplica-se a lei 11.419/06?

Sim, considera-se, neste caso, o disposto no artigo 4º da lei em comento.

A publicação eletrônica substitui qualquer outro meio e publicação oficial (disponibilizada no Diário da Justiça), para quaisquer efeitos legais, à exceção dos casos que, por lei, exigem intimação ou vista pessoal.

Nos casos de intimação pelo Diário da Justiça, considera-se como data da publicação o primeiro dia útil seguinte ao da disponibilização da informação. (art. 4º, § 3º,). Os prazos processuais, por sua vez, terão início no primeiro dia útil que seguir ao considerado como data da publicação(art. 4º,§4º).

Exemplificando: a intimação publicada no Diário da Justiça será inicialmente disponibilizada, após a mesma será publicada começando, a partir do primeiro dia útil seguinte, a contagem do prazo.

Vejamos: A parte foi intimada da sentença, via Diário da Justiça, no dia 1º de Julho de  (segunda-feira) – data da disponibilização. A intimação será considerada publicada no primeiro dia útil após a data da disponibilização, ou seja, no dia 02 de Julho de 2014 (terça-feira). Logo, o prazo começara a fluir no próximo dia útil, que será 03 de julho de 2014 (quarta-feira)

Outro exemplo.

A parte foi intimada para determinado ato, via Diário da Justiça, em 29 de maio de 2014 (quinta-feira). A intimação será considerada no próximo dia útil, ou seja, 30 de maio de 2014 (sexta-feira). Assim, o prazo começara a fluir no próximo dia útil, qual seja, 02 de Junho de 2014 (segunda-feira). E digamos, neste nosso exemplo, que dia 02 de Junho de 2014 seja feriado municipal (ou estadual, tanto faz)? O prazo começará apenas no dia 03 de junho de 2014, pois este seria o primeiro dia útil.

 

QUESTÃO PRÁTICA

Vamos ver se vocês entenderam?

Vou deixar uma questão aqui (bem simples), onde vocês terão que me dizer qual o recurso adequado e qual o último dia do prazo para interposição deste recurso.

 

“A” ingressou com ação indenizatória por danos morais em face de “B”. A ação tramitou regularmente, sendo que “B” foi condenado ao pagamento de indenização por danos morais no patamar de R$ 6.000,00 (seis mil reais).

“B”, inconformado com a sentença, resolve recorrer e você é o advogado(a) dele, regularmente constituídos nos autos. Considere que houve disponibilização da informação, via Diário da Justiça, no dia 19 de Junho de 2014 (quinta-feira).

Responda:

  1. Qual o recurso adequado?
  2. Qual o prazo para interposição do recurso?
  3. Qual o último dia para interpor o recurso?

 

Vamos lá pessoal, conto com vocês!

Semana que vem responderei a questão.

Obrigado e tenham uma abençoada semana.

Por Fagner Pias*

*Fagner Pias, é Advogado. Pós-Graduado em Direito Civil e Processual Civil. Mestrando em Práticas Socioculturais e Desenvolvimento Social, pela UniCruz-RS.

envie-artigo-pj

 | Website

Você pode enviar seu artigo para ser publicado. Leia a página COLABORE e saiba mais.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

9 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -