segunda-feira, 22/julho/2024
ColunaTribuna do CPCA Defensoria Pública aos olhos do Novo CPC I

A Defensoria Pública aos olhos do Novo CPC I

Hoje irei tratar sobre alguns aspectos do Novo CPC a respeito da Defensoria Pública, este é o primeiro artigo da série de dois que irei abordar tal tema, pois devido uma grande mudança e também para facilitar a leitura de todos, resolvi dividir este artigo.

Uma das instituições mais nobres em nosso País, instituição essa que abre as portas para a parcela necessitada da população, abre as portas para aqueles que sempre que necessitaram do serviço público teve em sua cara portas fechadas, somente via a mão do Estado para culpar ou cobrar jamais ajudando.

A Defensoria Pública está inserida na Constituição Federal de 1988 no Capítulo IV, das Funções Essenciais à Justiça, senão vejamos o dispositivo legal:

“Art. 134. A Defensoria Pública é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe, como expressão e instrumento do regime democrático, fundamentalmente, a orientação jurídica, a promoção dos direitos humanos e a defesa, em todos os graus, judicial e extrajudicial, dos direitos individuais e coletivos, de forma integral e gratuita, aos necessitados, na forma do inciso LXXIV do art. 5º desta Constituição Federal”. (grifo nosso).

O Novo diploma processual logo em seu artigo 1º relata que o processo civil será ordenado, disciplinado e interpretado conforme valores e normas fundamentais da Constituição, tendo em vista este dispositivo inaugural o Novo CPC trouxe o título VII, dentro do Livro destinado aos sujeitos processuais (Livro III) a Defensoria Pública indo assim com o positivado em seu artigo 1º.

Imaginem como ficaria a situação de um processo judicial, onde a parte contrária devidos seus parcos recursos financeiros não puder contratar um advogado? (não vou tratar aqui do advogado dativo, pois sabemos que o recebimento dos serviços prestados está causando grandes problemas). Bom, diante desta situação fictícia o que ocorreria seria após decorrido o prazo da parte contrária devidamente citada, a decretação da revelia para este.

Hoje isso não ocorre de forma tão acentuada, pois o cidadão sabe que pode procurar um “Advogado do Estado” (termo utilizado pelos assistidos) para defender seus direitos, ademais o Novo CPC traz em seu artigo 7º o princípio do contraditório puro, algo enraizado desde o nascimento da Defensoria Pública, pois, sem defesa não pode haver ação. O renomado doutrinador processual Humberto Theodoro Júnior relata que “tal opção legislativa mostra que mediante o novo texto não é mais possível cogitar em centralidade do juiz ou das partes; o Novo CPC é um código de todos os sujeitos processuais, é, portanto, policêntrico”, devendo assim todas as partes envolvidas cooperarem para a efetivação do contraditório. (tema esse que irei detalhar em outro artigo, o princípio da cooperação introduzido no Novo CPC, acompanhem o site e a coluna e não percam). 

Infelizmente a Defensoria ainda não possui um corpo físico que permitiria a ela um melhor atendimento aos assistidos, sendo que muitos Defensores literalmente conforme ditado popular “tiram leite de pedra” para fazer o melhor por seus assistidos.
novocpc
O § 5º do artigo 95 do CPC/2015, veda a utilização dos fundos da Defensoria para arcar com o custeio de peritos, garantindo um dos princípios institucionais positivado no §4º do artigo 134 da C.F, dando assim ao membro da Defensoria vasta autonomia para a condução dos interesses do assistido, não sofrendo nenhum tipo de interferência externa.

Sílvio Roberto Mello Moraes destaca que:

“A independência funcional é princípio dos mais valiosos para a Instituição. Para que cumpra seu dever constitucional de manutenção do Estado Democrático de Direito, assegurando a igualdade substancial entre todos os cidadãos, bem como instrumentalizando o exercício de diversos direitos e garantias individuais, representando, junto aos Poderes constituídos, os hipossuficientes, não raras vezes contra o próprio Estado, é necessário que a Defensoria Pública guarde uma posição de independência e autonomia em relação aos demais organismos estatais e ao próprio Poder ao qual encontra-se, de certa forma, vinculada”.

Toda essa mudança introduzida pelo Novo CPC, como também o conceito de celeridade processual, princípio da efetividade do processo, trazido pelo artigo 4º deste diploma, não poderia deixar de ter efeitos práticos na atuação da Defensoria Pública, pois o artigo 233 e 235 do Novo CPC trouxe para o processo civil a legitimidade da Defensoria Pública representar diretamente ás Corregedorias ou ao CNJ magistrados ou servidores que sem justificativa excedam os prazos tipificados em lei.

Com isso, o Novo CPC reconheceu está nobre instituição, solidificando como uma entidade essencial à justiça, merecendo o legislador seus devidos aplausos.

Não deixem de acompanhar meu próximo artigo onde irei abordar questões como a curadoria pela Defensoria Pública no Novo CPC dentre outros temas relevantes envolvendo o Novo CPC e a Defensoria Pública.

Meu muito obrigado e espero que tenham gostado, aceito críticas, opiniões, elogios e qualquer dúvida entrem em contato comigo pelas redes sociais.

Um grande abraço e até a próxima!

 


BIBLIOGRAFIA

BAHIA, Alexandre Melo Franco; NUNES, Dierle; PEDRON, Flávio Quinaud; THEODORO JR., Humberto. Novo CPC: fundamentos e sistematização. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

MORAES, Silvio Roberto Mello. Princípios institucionais da Defensoria Pública – Lei Complementar 80, de 12.1.1994 anotada. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 1995.

Advogado. Vereador do município de Córrego do Bom Jesus/MG.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -