Castro Alves: Poeta jurista defensor de duas grandes causas sociais

POETA JURISTAHoje comemora-se o aniversário do POETA JURISTA que mais admiro e que tenho como referência no projeto Poerídica (poesia jurídica), Castro Alves (Antônio Frederico de C. A.) que nasceu em Muritiba, BA, em 14 de março de 1847.

Castro Alves foi amigo de Rui Barbosa e estudou na Faculdade de Direito de Recife (depois de ter sido reprovado duas vezes para ingressar na faculdade). Cursou o 1º ano em 1865, na mesma turma que Tobias Barreto.

Integrado na vida literária acadêmica e admirado graças aos seus versos, teve sua fase de intensa produção literária marcada por duas grandes causas: uma, social e moral, a da abolição da escravatura; outra, a república, aspiração política dos liberais mais exaltados.

Seu estilo contestador o fez ser conhecido como o “Poeta dos Escravos”.

Muito novo, mostrou toda sua coragem ao recitar, durante uma comemoração cívica, o “Navio Negreiro”. A contra gosto, os fazendeiros ouviram-no clamar versos que denunciavam os maus tratos aos quais os negros eram submetidos.

E além de poesias de caráter social, Castro Alves também escreveu versos amorosos.

Faleceu em 1871, aos 24 anos, de tuberculose, sem concluir o curso de Direito que iniciara e sem ter podido acabar a maior empresa que se propusera, o poema “Os escravos”, uma série de poesias em torno do tema da escravidão.

Homenagem a Castro Alves: poesia musicada

E ao poeta jurista defensor dos escravos fiz uma homenagem musicando trechos da sua poesia “Navio Negreiro”:

‘Stamos em pleno mar…’
mas não vemos a cor do oceano.
‘Stamos em pleno mar…’
e a liberdade vai naufragando.

De onde vem? onde vai?
Senhor Deus dos desgraçados!
Quem são estes desgraçados?
Era um sonho dantesco…
Ontem plena liberdade,
A vontade por poder…
Hoje… cúmulo de maldade,
Nem são livres pra morrer.

‘Stamos em pleno mar…’
qual é a cor do valor humano?
‘Stamos em pleno mar…’
e pouco mudou com o passar dos danos.

 

Curiosidade sobre o Dia Nacional da Poesia

Desde 1977, o Dia Nacional da Poesia era comemorado em 14 de março em homenagem ao poeta Castro Alves.

Porém, em 3 de junho de 2015, a presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei 13.131/2015, que oficializa o Dia Nacional da Poesia em 31 de outubro, dia do nascimento do poeta Carlos Drummond de Andrade. A proposta foi sugerida pelo senador Álvaro Dias, do PSDB do Paraná.

 

Fonte: ABL, Ligia Tomarchio, Wikipédia, Portal Brasil.

Rafael Clodomiro
Escritor, poeta e advogado. Idealizador do projeto "Poerídica" (poesia jurídica) (fb.com/poeridica). Vencedor do Prêmio Nacional UFF de Literatura 2009 e do IV Prêmio Moledo Sartori de Monografia Jurídica 2012. Servidor Público e pós-graduado em Gestão Pública na Escola de Contas e Gestão do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.
[fbcomments]

Deixe uma resposta