Apelação! Poesia jurídica bem apelativa!

3709

Para falar sobre uma relação quente, de “amor picante”, com atos libidinosos, fiz uso de um recurso bem apelativo…a Apelação! Ah, pela ação…não sei se gostarão…mas, considerem que esta é a minha primeira poesia jurídica classificada como “erótica/sensual”.

Não foi por pura safadeza (não me entendam mal, rs). A motivação para compor uma poesia libidinosa assim veio da ideia constante que tenho de inovar na abordagem de tratar determinado assunto. E ao estudar o Recurso da Apelação, acabei descobrindo esse meu estilo afrodisíaco de escrever…rs

Nelson Nery Junior define o Recurso como sendo “o meio processual que a lei coloca à disposição das partes, do Ministério Público e de um terceiro, a viabilizar, dentro da mesma relação jurídica processual, a anulação, a reforma, a integração ou o aclaramento da decisão judicial impugnada.”

E agora, convido você a analisar o Recurso de Apelação numa visão poética e num aspecto de sensualidade. E além das brincadeiras com as palavras, é possível notar algumas das características, efeitos e cabimentos da Apelação.

 

apele

Poerídica: Apelação!

 

Apele

quantas vezes quiser,

apele

considerando a boa-fé,

apele…

Pois eu vivo à flor

da pele.

 

Da carência

cabe apelação,

conforme determina

a Lei da Pegação

a favor

da pela ação

amorosa,

calorosa,

e libidinosa.

 

Pra mim,

a sua apelação

será sempre

cabível.

Mas quanto mais

sensível

eu fico a te desejar,

mais exigível

é a sua razão

de apelar.

 

Então, apele!

Porque a minha pele

já se arrepiou

sem atraso.

É só você se aproximar

que a inter-posição se dá

dentro do prazo.

 

Apele muito!

Qualquer questão

pode ser alegada.

Saiba que eu adoro

Apelações!

E se você continuar

Apelada

Eu não respondo por minhas ações…

 

…A gente apela e apela

com ou sem

resolução do mérito,

com ou sem juízo.

A gente segue apelando

com ou sem

efeito devolutivo,

com ou sem

efeito suspensivo,

pois nosso maior prazer

é entrar com o recurso

bem apelativo!

 

Rafael Clodomiro

Escritor, poeta e advogado. Idealizador do projeto "Poerídica" (poesia jurídica) (fb.com/poeridica). Vencedor do Prêmio Nacional UFF de Literatura 2009 e do IV Prêmio Moledo Sartori de Monografia Jurídica 2012. Servidor Público e pós-graduado em Gestão Pública na Escola de Contas e Gestão do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.

Publicidade

Deixe uma resposta