segunda-feira, 30 janeiro 2023

A Advogada e o Poeta: o encontro

Confira hoje uma narrativa, um conto, uma história…

Conheça o caso da Advogada e do Poeta.

conto

A Advogada e o Poeta: o encontro

Ela saiu do seu escritório exausta. O dia foi tenso. Normalmente, ela iria direto para sua casa se jogar na banheira com sais de banho e espumas aromáticas, mas, naquela quinta-feira, preferiu fazer algo diferente. Pensou: “sair da rotina é bom para se desestressar”. Então, a advogada, vestida de dama jurisdicional (capaz de convencer com seu charme jurídico qualquer juiz alienado à beleza feminina) avistou uma placa de longe, no final da avenida onde estava dirigindo seu carro: “Bar Cultural”. E foi até lá:

– Pode ser um bom lugar para relaxar e se renovar…

A advogada entrou observando toda a decoração do ambiente. Viu as pinturas, os quadros, as esculturas nas paredes, admirou as artes plásticas, gostou da arquitetura do bar e se sentou à mesa.

– É, a natureza jurídica deste local, realmente, é cultural – pensou ela em voz alta com um sorrisinho na boca. Pediu uma cerveja sem álcool ao garçom e começou a prestar atenção no sarau que estava acontecendo ali.

Na verdade, ela só sabia que era um sarau porque tinha um banner no palco: “Sarau Poesia sem Fronteiras”. Se não tivesse nada escrito, seria para ela “declamação de poemas”, pois ela não se lembrava de que “declamação de poemas” se denominava “sarau”.

– O direito de escolha

entre amar ou se apaixonar

é um direito indevido

pois não se pode optar,

não há veredicto,

não existe decisão.

Ou ama ou se apaixona

conforme a ocasião.

O poeta que declamou esses versos olhou para a advogada ao terminar de recitá-los. Mas ele olhou sem saber que ela estava ali, olhou sem saber quem era ela, olhou, simplesmente olhou…sem saber que ela se tornaria seu grande amor.

Deixe uma resposta

Compartilhe

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

Leitura recomendada