quarta-feira, 24/julho/2024
Poesia jurídicaA Advogada e o Poeta: mais um fora

A Advogada e o Poeta: mais um fora

nao me kantA esperança é uma das sensações sentimentais mais bonitas e atraentes que pode existir no ser humano. Como é lindo saber que a esperança é a ultima que morre. Isso anima e estimula o indivíduo. E naquela noite no Bar, o poeta se manteve esperançoso mesmo com o primeiro fora que a advogada lhe deu.

O poeta achou aquela mulher muito atrevida e ousada. E se apaixonou mais ainda por ela. Como de costume, poetas adoram mulheres fatais.

“Será que ela não gosta de poesia?” pensou ele escrevendo o próximo recado no guardanapo:

– Comparo você, moça, a uma Poesia bem rimada, bem metrificada,  bem lapidada, assim como as Poesias de Bilac, Leminsk, Quintana, Neruda e Fernando Pessoa, aliás, falando nisso, como é linda a sua Pessoa…

A advogada também achou o poeta atrevido e ousado. Mas era um “atrevido e ousado” com classe. E sua resposta foi então na mesma sintonia, porém, sem deixar de ser feroz:

– Desculpe-me, moço, mas minha rima está bem mais acima. E meus poetas prediletos são outros: Weber, Bobbio, Descartes, Beccaria e Immanuel Kant, aliás, falando nisso, por favor, não me Kant.

Eita! Mais um corte. E que cortada! A advogada sabia se defender na mesma medida e na mesma criatividade com as palavras – ou até melhor que o poeta.

Calma aí doutora, assim o cara vai ficar gamado demais da conta e não vai ter dinheiro para pagar essa conta tão alta.

E era de se esperar. O poeta não conhecia nenhum daqueles nomes que a moça citou. Desse modo, ele não entendeu a ironia muito bem arquitetada por ela, mas o coração dele entendeu muito bem o corte.

O corte era no formato de um fora.

E o pior não é levar um fora. Ele já estava acostumado a levar foras. O pior é levar um fora criativo que bate de frente e te revida na mesma moeda. O pior é levar um fora de quem você já se declara apaixonado.

Dói.

Aquela situação de não saber o que fazer voltou. O poeta ficou paralisado olhando para o nada.

Parecia que nada mais ia acontecer, mas, sabe como é né, a esperança morre por último…

 

“A Advogada e o Poeta” é um conto em sequência. Leia também o anterior: A Advogada e o Poeta – A primeira conversa

Escritor, poeta e advogado.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -