sábado, 20/julho/2024
ArtigosOs limites impostos pelos planos de saúde na cobertura de tratamento médico

Os limites impostos pelos planos de saúde na cobertura de tratamento médico

Por: Bruno Bueno¹.

Todos nós sabemos que o Sistema Único de Saúde (SUS) é precário, e cada vez mais pessoas vêm aderindo a planos de saúde particulares com vistas a um tratamento mais digno quando precisarem, ou seja, quando ficarem doentes.
Quando o consumidor contrata um plano de saúde, ele assina o contrato de prestação de serviços. Na maioria das vezes são documentos de, no mínimo, sete páginas, com palavras que a maioria dos consumidores não entende, seja por serem termos jurídicos ou do jargão médico. A questão é que os consumidores, ora contratantes, quer por falta de tempo ou por “pressão” dos vendedores do plano, assinam o contrato sem ler e, consequentemente, não o entendem.
Na hora da contratação os “vendedores”, com a “missão” de captar mais um cliente e cumprir com a sua meta, só dizem os benefícios do plano, tais como carência zero para consultas, exames sem custo, consultas ilimitadas, serviços de urgências e emergências coparticipação a custo “ínfimo” etc, e não alertam para as desvantagens, sejam elas carências para exames, não cobertura para determinados exames e tratamentos médicos.

 

planos de saúdeOs consumidores só são informados das desvantagens quando tentam utilizar o tal tratamento, no momento em que mais precisam, e veem seu direito cerceado com uma simples frase: NEGADO POR EXCLUSÃO CONTRATUAL ou NEGADO POR NÃO CONSTAR NO ROL DA ANS.
Nesse momento de fragilidade emocional o consumidor se sente impotente, pois mesmo tendo arcado com todos os seus deveres, não atrasando nenhuma prestação – e as mensalidades cobradas pelas operadoras de plano saúde não são baratas – e de já ter cumprido todas as carências, por exemplo, quando mais precisou não pôde usar o plano.
Nessa situação o consumidor se pergunta o que fazer: pagar o tratamento ou entrar na lista do SUS, que poderá levar anos para ter uma solução?

O fato é que a situação é dolorosa, mas à luz da Lei nº 8.078/93 (Código de Defesa do Consumidor) e com base na Súmula 102 do Egrégio Tribunal de Justiça, o consumidor tem mais direitos do que se sabe, pois no ato da contratação, o segurado assinou um contrato de adesão, sendo que as suas cláusulas já eram definidas e não aceitavam discussão. Ou se assinava e contratava o plano, ou não.
Diante disso, o Código de Defesa do Consumidor, em seu art. 51, diz que são nulas de pleno direito as cláusulas abusivas, que neste caso é aquela que restringe o tratamento, seja por exclusão contratual ou por não constar no rol da ANS.

Nesse mesmo diploma legal o art. 47 diz que as cláusulas serão interpretadas favorecendo o consumidor, com isso, o Tribunal de Justiça de São Paulo, atentando ao grande número de ações que possa vir, ou já venha contra plano de saúde por falta de cobertura de algum tratamento, editou a Súmula 102, que diz:

Havendo expressa indicação médica, é abusiva a negativa de cobertura de custeio de tratamento sob o argumento da sua natureza experimental ou por não estar previsto no rol de procedimentos da ANS.

 

Com isso ficou claro que os planos de saúde não podem restringir a cobertura do tratamento indicado por médicos cooperados seja este por ser “experimental” ou por não constar no rol de procedimentos da ANS.
Destaque-se que, quando o segurado tem o seu tratamento negado pelo plano de saúde sob a hipótese de ser experimental ou por não contar no rol da ANS, deve ele ingressar com uma ação na justiça para que o seu direito como consumidor seja garantido, e o tratamento efetuado, pois, como já diz o ilustre desembargador Theodureto Camargo, do TJSP:

“NÃO CABE ÀS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE QUESTIONAR OS PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO ESPECIALISTA QUE ACOMPANHA O PACIENTE CONVENIADO, MOSTRANDO-SE DESARRAZOADA A NEGATIVA DE COBERTURA.”
APL 75569820098260564 SP 0007556-98.2009.8.26.0564.

 

Sendo assim, conclui-se que independentemente do rol da ANS ou da denominação do procedimento, o consumidor tem o direito de fazer o tratamento médico pelo seu plano, ressaltando-se que a vida é o bem mais precioso que temos.

O mais importante, porém, é deixar claro que, estando estipulados no contrato os valores da coparticipação referente a tratamento médico, esses valores são devidos na proporção contratada, que, na maioria das vezes, chega a 10% do valor da cirurgia, que já é um custo “baixo” relativo ao valor total da cirurgia, pois, no mérito, estamos tratando da negativa da cobertura e não do valor a ser pago.
Diante do exposto, o consumidor ora segurado tem, sim, direito ao tratamento indicado por seu médico, mesmo não constando no rol da ANS.

 

¹Bruno Bueno é estudante de Direito na Universidade de Franca.

envie-artigo-pj

 | Website

Você pode enviar seu artigo para ser publicado. Leia a página COLABORE e saiba mais.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -