quinta-feira, 18/julho/2024
Poesia jurídicaCanção do Extermínio: nova abordagem sobre o Mensalão

Canção do Extermínio: nova abordagem sobre o Mensalão

enfimTardou, porém não falhou. A Ação Penal 470 prolongou-se por oito anos, mas provou a existência do Mensalão. E acima de tudo, provou que a corrupção praticada por bandidos de colarinho branco (parlamentares, dirigentes partidários, banqueiros, publicitários e etc) dá cadeia! Independente de quem seja o réu, o Judiciário provou enfim, que a prática ilegal e imoral contra à democracia e à sociedade não pode ficar impune. E de cima pra baixo, este exemplo deve se disseminar em todas as instâncias judiciárias, em todos os outros casos de imoralidades e irregularidades, que não são poucos.

 

Agora o Brasil canta uma outra canção

 

Além das ordens de prisão expedidas no dia 15 de novembro contra 12 condenados do processo do Mensalão, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, determinará outras prisões nesta semana.

E é sob este cenário de condenações e prisões, de cumprimento das penas, “pagar pelo que fez”, que nasce a “Canção do Extermínio”, uma releitura poética da “Canção do Exílio” de 1847, escrita por Gonçalves Dias, quando o poeta estava em Portugal sentindo saudades da sua pátria amada.

A “Canção do Exílio” faz parte da cultura brasileira. Inclusive, dois de seus versos são citados no hino nacional: “Nossos bosques têm mais vida/Nossa vida, mais amores.”

 

Poerídica: Canção do Extermínio

 

Diferentemente da inspiração contida na poesia de Gonçalves Dias, que retratava a nostalgia e o nacionalismo, nesta nova abordagem poética, na “Canção do Extermínio”, a realidade é outra, assim como a mensagem que se passa é outra…

…é sobre a impunidade, corrupção e Justiça!

 

canção do ecterminio - poeridicaCanção do Extermínio

 

Minha terra tem roubalheira

onde esbanja o marajá,

os bandidos que aqui rodeiam

rodeiam pra lá e pra cá.

 

Nosso céu tem mais imposto,

nas desigualdades mais eleitores,

nossos partidos têm mais leis,

nossas leis mais infratores.

 

Em julgar, a Corte, o Mensalão,

não se deixou os bandidos pra lá.

Minha terra tem roubalheira

e também muito bafafá.

 

Mas minha terra tem pensadores

que buscam a Justiça já!

Em julgar, a Corte, o Mensalão,

não se deixou os bandidos pra lá.

Minha terra tem roubalheira

e também muito bafafá.

 

Não permita Deus que eu sofra

sem ver a esperança iluminar,

sem que as mudanças aconteçam

e prendam aqueles que nos desonrar.

Sem que aviste as trincheiras

onde se punem os marajás.

 

Escritor, poeta e advogado.

Receba artigos e notícias do Megajurídico no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/megajuridico.
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do(a) autor(a)

Most Read

Seja colunista

Faça parte do time seleto de especialistas que escrevem sobre o direito no Megajuridico®.

Últimas

- Publicidade -